quinta-feira, 26 de maio de 2011

Sem resultado? Talvez seu treino esteja errado

 

Professores opinam sobre os principais tipos de treinamento. Tabela simples auxilia iniciantes no reconhecimento das qualidades de cada um deles

Todo mundo, ao começar a malhar tem algum objetivo seja emagrecer, bombar, melhorar a saúde ou só definir músculos. O professor é quem prescreve um treino que consiga fazer o aluno chegar onde ele quer. Se você malha, malha e seu objetivos não são atingidos, é preciso reformular o treino. Confira aqui como deve ser o treino para os diferentes objetivos.

Para avaliar o treinamento, o melhor é medir periodicamente aquilo que você quer modificar. Se pretende emagrecer, pode avaliar pelas roupas, pelo peso ou fazer uma análise mais detalhada da composição corporal na academia.

A primeira coisa a prestar atenção é que não adianta copiar os exercícios do cara marombado da academia ou da gostosa da televisão. Mário Pozzi, professor da Needs Fitness, explica que a intensidade dos exercícios depende do nível de treinamento do aluno. A individualização do treino é essencial mesmo quando o objetivo é a hipertrofia. No nível iniciante, as etapas de progressão das cargas devem ser respeitadas.

É preciso também saber diferenciar resultados imediatos daqueles a longo prazo. Edmilson Kawanaka, professor de academia e pós-graduado em treinamento desportivo, explica que as pessoas confundem às vezes a adaptação aguda (sentida logo após a sessão de treino, que normaliza depois de algumas horas. Exemplo: sinto-me mais inchado) da adaptação crônica (o que acontece de forma mais lenta e duradoura). Para Kawanaka, se os objetivos não estiverem sendo alcançados, toda a programação tem que ser revista, tipo de treino, carga, periodicidade, alimentação e descanso.

Os alunos de academia geralmente querem perder gordura corporal e ganhar massa muscular. Para quem quer perder peso ele indica treino de resistência muscular (com 15 repetições – ver tabela abaixo) três vezes por semana, com um exercício aeróbio antes para aquecer e exercícios aeróbios contínuos (ver tabela abaixo) mais longos duas vezes por semana.

Segundo Kawanaka, atualmente os alunos procuram um trabalho de musculação com o objetivo de melhorar seus desconfortos como dores articulares, dores na coluna etc. Ele indica trabalhos isométricos (ver tabela abaixo) para esse tipo de trabalho, realizando exercícios parados, segurando o peso estático. Ele recomenda esse tipo de exercício três vezes por semana combinado com aeróbio (duas vezes por semana) e alongamento geral diário.

Para os que querem ganhar massa muscular, Kawanaka indica treino de resistência muscular (com 12 repetições – ver tabela abaixo) quatro vezes por semana, dividido em dois treinos alternados, o descanso deve vir depois de um treino de cada tipo (por exemplo, quarta feira, se treinar segunda e terça). No final de semana ele recomenda um dia de treino leve aeróbio, por exemplo, 30 minutos.

A personal trainer Tatiana Vieira, professora do Instituto Leven, diz que quando se trata de exercícios resistidos (musculação), o único momento em que a pessoa ganha força e não ganha massa muscular é no início do treinamento (três primeiras semanas), pois nessa fase a pessoa passa por uma adaptação neural, aprendendo a fazer o exercício com mais eficiência.

Após esse período inicial, os treinamentos passam a gerar uma certa hipertrofia. Para os que não querem ganhar muita massa muscular, uma dica é associar treino de musculação com aeróbios contínuos (ver tabela abaixo). Como o exercício aeróbio diminui a massa muscular, a combinação dele com a musculação é ideal para manter a musculatura, sem ganhar muito, mas também sem perder. Vieira explica que se for realizado o treinamento aeróbio de alta intensidade, além dele utilizar gordura como substrato, é possível realizar treinamentos de força mais intensos sem correr o risco de ganhar muita massa muscular.

Manter a massa muscular é importante para manter o metabolismo rápido, potencializando a perda de peso. Mas o exercício sozinho não faz milagres pelo emagrecimento, para aqueles cujo objetivo é realmente perder gordura, manter uma dieta balanceada é essencial.

Os que não querem fazer musculação, apenas correr (ou pedalar, nadar etc.) precisam tomar cuidado com a perda muscular relacionada aos exercícios aeróbios contínuos. O treino intervalado (ver tabela abaixo) tem demonstrado bons resultados para quem quer praticar esses tipos de atividade sem perder a massa muscular. As diferentes aulas oferecidas pelas academias geralmente também possuem intervalos de diferentes intensidades e combinam exercícios aeróbios com um pouco de força, sendo uma opção para quem quer manter a saúde de maneira lúdica.

TREINOS AERÓBIOS: Auxiliam a perda de gordura e trazem benefícios cardiovasculares

Contínuo (resistência aeróbia)
É o treino aeróbio mais comum, com intensidade moderada e alta duração (acima de 15 minutos). A intensidade pode ser estimada pela frequência cardíaca (entre 60% e 80% da FC Máxima) ou por percepção pela respiração, a pessoa deve ficar ofegante, mas ainda conseguir falar algumas palavras. Esse treino é conhecido por auxiliar na perda de gordura, mas pesquisas apontam que ele pode causar diminuição na massa magra (músculos), que pode ser atenuada combinando esse treinamento com exercícios com pesos. Esse tipo de treinamento também é importante para aqueles que desejam melhorar sua saúde, pois melhora a capacidade cardiorrespiratória, diminuindo o risco de problemas relacionados ao sedentarismo.

Intervalado
Esse treinamento consiste em pequenos períodos (10 segundos a 2 minutos) de exercícios de intensidade alta com intervalos de descanso entre eles, podendo ser descanso ativo, com caminhadas ou trotes leves ou descanso passivo, parado. O descanso deve ser até você estar apto a praticar o exercício em alta intensidade novamente. Pesquisas mostram que esse tipo de treino tem os mesmos benefícios que o contínuo e após o segundo mês de treinamento parecem ter resultados melhores na perda de gordura. Com esse tipo de treinamento a massa muscular é preservada, pois ele não apresenta a mesma perda de massa magra que o exercício contínuo.

MUSCULAÇÃO: Treino realizado com resistência (pesos, máquina etc.), aumenta a massa muscular e a força

Força Muscular
Esse treino é mais indicado àqueles que querem ganhar força, mas não necessariamente ganhar grande massa muscular. Todos os treinos de musculação causam ganho de massa magra, especialmente se o aluno não é praticante de musculação e vai iniciar a atividade, mas o objetivo desse treino é aumentar a força máxima do aluno. Segundo Pozzi, os pesos utilizados estão entre 90% e 100% da força máxima (chamada uma repetição máxima, a medida é feita por um teste que estima a carga máxima em que é possível realizar uma vez o exercício e não é possível repetir o movimento). Neste treino são realizadas de quatro a seis séries de uma a seis repetições para cada grupo muscular com intervalos de descanso maiores do que dois minutos entre as séries. São mais séries em menos repetições, com carga alta e velocidade de execução lenta.

Hipertrofia Muscular
O principal objetivo desse tipo de treino é aumentar a massa muscular, ideal para os que buscam volume muscular por questões estéticas. Aumentando a massa, a força máxima também aumenta, trazendo os benefícios do treino de força máxima. Pozzi explica que esses exercícios são feitos com cargas de 70% a 90% da força máxima. São realizadas de três a seis séries de seis a oito repetições para cada grupo muscular. Ou seja, são mais repetições, com intervalo entre as séries de três minutos, e a velocidade de execução do exercício é lenta.

Potência Muscular (Força Explosiva)
Esse treino tem como objetivo aumentar a velocidade de contração dos músculos, importante para algumas tarefas do dia-a-dia (se você tropeçar é a potência muscular que vai ajudar a corrigir o movimento e não cair de cara no chão ou correr atrás do ônibus) e para as atividades esportivas. Como todo o treino de musculação, esse treino causa um ganho de massa muscular e ganho de força máxima, especialmente para iniciantes. Os exercícios, segundo Pozzi, são realizados com pesos entre 60% e 80% da carga máxima, realizando de três a seis séries de seis a doze repetições. O intervalo entre as séries deve ser maior que dois minutos e a execução é rápida na fase de subida do peso, e lenta na descida, ou seja, quando o movimento é a favor do peso você deve fazer força para controlar a velocidade.

Resistência Muscular
Esse treino tem como objetivo aumentar a resistência do músculo para manter a força por um grande período de tempo. Por causar grande fadiga do músculo, esse treino gera um bom ganho de massa muscular e força máxima. Esse tipo de treino também é muito utilizado para iniciantes, como adaptação para iniciar os demais tipos de treinamento (de três a cinco semanas). Segundo Pozzi, as cargas para o treino de resistência devem ir de 40% a 60% da carga máxima e são realizadas de duas a quatro séries de 13 a 20 repetições por grupo muscular. São menos séries, com mais repetições e o intervalo deve ser entre um e dois minutos e a velocidade de execução é média.

Isométrico
Por não movimentar a articulação, esse treino é muito utilizado para aqueles que têm problemas articulares, como forma de manter a força e a musculatura, auxiliando a reabilitação. Kawanaka recomenda segurar o peso por 20 segundos em vez de fazer várias repetições.

Circuito
É um tipo de treino que alterna exercícios de musculação e exercícios aeróbios. Costuma ser indicado para aqueles que não têm tempo para fazer os dois treinamentos e para os que querem emagrecer. Seus resultados dependem da intensidade e duração do exercício aeróbio e do treino de musculação utilizado na combinação. Se você fizer mais musculação, ganha mais massa muscular; já se fizer mais aeróbio têm ganhos menores de massa magra e perde mais gordura.


Fonte: uol.com

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Reforma Política: Há lugar para a juventude na reforma política?


A Reforma Política está novamente na agenda do dia, e dentro de um cenário mais favorável para a aprovação de medidas progressistas. Para os movimentos sociais e partidos políticos do campo democrático e popular, a defesa dessa reforma tem como sentido ampliar a participação e a democracia. Alterar o sistema político deve representar também acelerar as mudanças que hoje ocorrem no Brasil.

Mais acesso à direitos básicos deve andar casado com mais poder e participação do povo. Por isso, ela deve ter como diretrizes: ampliar a participação popular por meio de mecanismos diretos e participativos, fortalecer os aspectos ideológicos e programáticos dos partidos políticos, garantir maior presença de setores hoje sub-representados, como mulheres, negros/as e jovens, combater a prevalência do poder econômico, do excessivo personalismo, e do uso legendas de aluguel, hoje tão disseminadas no atual formato de nosso sistema político.
Caminhos e possibilidades
Os caminhos para que essas mudanças ocorram são vários. No presente, o que tem se desenhado no Congresso é uma alteração mais pontual na nossa legislação eleitoral. O que está em processo de votação agora são as regras voltadas para a eleição de mandatos proporcionais (câmaras e assembléias).
Os efeitos dessas possíveis mudanças, mesmo que não tão amplas quanto defendemos nos movimentos sociais, são de importância fundamental e não devem ser menosprezados. Trata-se de momento inédito de coesão interna no PT, bem como de uma capacidade de articulação e diálogo com diferentes partidos políticos. Dentre as mudanças que há maior consenso, estão o financiamento exclusivamente público de campanha, a fidelidade partidária e o voto em lista preordenada – além do rechaço completo de propostas como “distritão".
Esses três elementos combinados são fundamentais para os objetivos que mencionamos no início do texto: combater a prevalência do poder econômico, o oportunismo eleitoral e a sub-representação de setores como mulheres, negros e juventude.
Não é possível falarmos em democracia representativa, quando mais da metade da população não está devidamente representada nos espaços do Congresso Nacional. Nesse sentido, para democratizarmos a democracia, a defesa da lista preordenada só faz sentido se combinada ao critério de paridade de gênero. A isso, deve-se acrescer também outros recortes específicos, como de recorte étnico-racial, e a garantia de representação da juventude.
A juventude na reforma política
No Brasil temos uma sub-representação da juventude nos partidos e instituições políticas, um fenômeno que não é restrito a partido A ou B e sim um problema generalizado. Nesse sentido, são necessárias ações políticas complementares para garantir a ampliação da participação dos jovens nesses espaços políticos e a renovação dos quadros políticos, tanto no campo das idéias como no da idade.
As propostas que defendemos para a Reforma Política contribuirão para que setores organizados, possam se expressar nas listas partidárias e sair da invisibilidade. Vale lembrar que hoje vivemos um dos maiores números de jovens na história do Brasil, com uma população de 50 milhões, representando 26% da população brasileira. Os jovens representam 40% do eleitorado, entretanto, representam 3% do Congresso Nacional.
É fundamental que haja um investimento específico dos partidos na sua juventude e na formação de novas lideranças. Assim, defendemos que seja obrigatória a destinação de 5% do fundo partidário para investimentos na organização da respectiva juventude, com o objetivo de formação de novos quadros militantes e lideranças.

Ainda, defendemos que haja um limite de no máximo duas reeleições no mesmo cargo para o exercício parlamentar. Esse tipo de limitação obriga a permanente renovação dos partidos e contribui para o combate à lógica de profissionalização dos cargos políticos, permitindo que novas lideranças possam surgir e se alternar nos espaços de poder.
Por fim, é preciso rever a questão dos limites de idade mínima para concorrer a eleições. Hoje já temos as maioridades civil e penal igualadas em 18 anos, e o direito ao voto inicia-se aos 16. Por que então limitar para 21 ou 35 anos, conforme o cargo, o direito a concorrer às eleições? Propomos que a idade mínima esteja igualada em 18 anos em todos os casos.
Ir para as ruas!
Sabemos que não basta realizar a disputa nos corredores do Congresso, onde os deputados tendem a votar na continuidade das regras que garantiram a sua eleição. É fundamental que os movimentos sociais e partidos políticos do campo democrático e popular estejam organizados em um amplo processo de disputa de valores na sociedade.
A juventude pode cumprir um papel fundamental nessa disputa. Este ano, teremos grandes atividades de organizações juvenis, como o Congresso da UNE, a Plenária nacional da Juventude da CUT, o II Festival das Juventudes em Fortaleza, dentre outros. Ainda, teremos um amplo processo de debate desde os municípios, com a II Conferência Nacional de Juventude. É necessário que em todos esses espaços, haja debates e resoluções e que se organizem campanhas públicas sobre o tema. Só assim, poderemos garantir uma disputa pela esquerda das mudanças no sistema político brasileiro.

Executiva Nacional da Juventude do PT.

Suplementos Alimentares e Exercícios Físicos


Assim como a glicose é unidade formadora dos carboidratos, os aminoácidos são as unidades que se agrupam, em grande número, formando as moléculas de proteína. A idéia é que a ingestão dessas unidades protéicas após um treino intenso, adicionadas a soluções de carboidratos, determinaria maior recuperação após esforço, seguido de aumento da massa muscular. Os aminoácidos mais utilizados são o BCAA (aminoácidos de cadeia ramificada) e a creatina.

O BCAA, apesar de muito utilizado, não recebeu a aprovação da Anvisa por falta de comprovação científica. A hipótese é de que esse composto poderia aumentar a tolerância ao esforço físico prolongado. Os fabricantes recomendam a sua utilização antes e após o treino, mas a opinião dos estudiosos no assunto, segundo a Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte, é discordante. A maioria dos estudos realizados parece não demonstrar benefícios do BCAA e os resultados favoráveis, principalmente no que diz respeito à recuperação muscular, talvez sejam atribuídos às soluções ricas em carboidratos adicionadas ao esquema de suplementação pós- treino.

A creatina foi recentemente aprovada pela Anvisa como parte de um programa específico para atletas. Nesse grupo, ela tem sido apontada como o suplemento nutricional de maior eficiência no desempenho físico em exercícios de força de alta intensidade e curta duração. De acordo com alguns estudos, a creatina ingerida chega aos músculos onde promove retenção de líquidos e uma aparência muscular definida e hipertrofiada, além de promover estímulo energético para um intenso trabalho muscular. Esses estudos são ainda preliminares e envolvem um número muito pequeno de paciente. Por isso devem ser ampliados para que possamos obter maior embasamento em suas indicações e contra-indicações.

Em relação aos efeitos colaterais da creatina, eles parecem não ser importantes. Por outro lado, também sabemos que esse suplemento não tem indicação para praticantes de atividade física sem finalidades competitivas. Para esses, bastam 2g de creatina ao dia, encontrados facilmente em dois deliciosos bifes de carne bovina.

Fonte: uol

Do que as mulheres gostam?

Isso é o que todos os homens se perguntam. Como eu tenho que ser para agradá-la? Como eu tenho que tocá-la e beijá-la? Como atraí-la? E no sexo, o que devo fazer para ser um bom parceiro sexual?

As mulheres são diferentes dos homens, tanto no aspecto físico, como nas suas respostas sexuais. Mas, principalmente, na forma de ver, sentir e praticar o sexo. Para elas é muito importante a doação, o sentimento, o ambiente e o tempo para que possam se soltar, sentir-se queridas e excitar-se, tendo um relacionamento amoroso marcante, inesquecível e que o sexo faça parte de um sentimento maior, que mantenha o casal junto por muitos anos .

Perguntando para as mulheres o que elas desejam dos homens, as respostas sempre enfocaram sentimento e parceria:

- alguém em quem eu possa confiar;
- com quem compartilhar as coisas boas e ruins:
- que seja gentil e tenha senso de humor;
- seja romântico e sensível às minhas necessidades;
- seja criativo e que aceite a minha criatividade no dia-a-dia e no amor;
- que tenha calor, inteligência, e que goste de abraçar e beijar.

Na pergunta o que é sensual no homem para você? Algumas respostas foram:

- o jeito da pessoa, o charme, o jeito de me olhar;
- ser bonito e com um corpo sensual (o gosto é variável de mulher a mulher);
- ter um belo sorriso que me envolva e que me faça derreter;
- ser vigoroso, mas não necessariamente atlético;
- autoconfiante e que seja apaixonado pela vida e por sexo.

E no sexo o que mais agrada a mulher?

- um homem quente, apaixonado;
- que tenha criatividade e que se preocupe com a minha excitação;
- que cuide de mim com carinho;
- que tenha paciência, que me conheça com detalhes, do que gosto, do jeito que gosto de ser tocada, da posição sexual que mais gosto, que me conheça por inteiro;
- que seja espontâneo, que brinque comigo;
- que tenha muito diálogo no dia-a-dia, e também na esfera sexual para nos conhecermos cada vez mais.

Em resumo a mulher gosta de ser alvo da atenção do parceiro, dentro e fora da cama. A conversa, o namoro, o beijo e a atenção são essenciais para manter o relacionamento, inclusive o sexual. Descubra o que lhe dá mais prazer. Como tocá-la. Pergunte para ela e deixe ela lhe ensinar. As mulheres gostam de se sentirem desejadas e queridas. Querem sentir que o seu corpo é aceito, que não precisam ser perfeitas e terem os seios e o corpo de modelo. Que são amadas pelo interior como pelo exterior.

A verdade também faz parte do jogo, pois as mentiras levam a mágoas que deixam sempre cicatrizes e afetam o relacionamento. O sentimento é muito importante e falar que a ama (não só através das palavras) é essencial para elas. Lembre-se de que as mulheres gostam de fazer amor, e não sexo. Não tenho a pretensão de ensinar como conviver e como fazer amor com a sua parceira. A intenção é discutirmos formas de melhorar a nossa vida e como acrescentar algo nas nossas relações com as pessoas que convivemos. Boa sorte.

Quer ganhar massa muscular?


Para quem está preocupado com a definição, manutenção e o aumento dos músculos (hipertrofia muscular) é importante saber que uma alimentação que fornece diariamente de 12 a 15% do valor calórico total em proteínas é suficiente para atender as necessidades de quem pratica atividade física com essa finalidade.
Os resultados sobre o uso da suplementação com aminoácidos para o aumento de massa muscular assim como seus respectivos efeitos colaterais à longo prazo, são controversos.
Por isso, uma alimentação equilibrada, planejada e individualizada que garanta a ingestão de porções adequadas de alimentos fontes de proteínas é o caminho mais saudável, além da prática de exercícios indicados para este fim e orientados por um profissional.
Os alimentos fontes de proteínas (leite, iogurtes, queijos, carnes, peixes, aves, ovos, feijões, nozes) não devem ser consumidos muito próximos do início e término das atividades físicas, uma vez que têm uma digestão mais lenta e, com isso, provocam o desconforto gástrico.
Alimentos ricos em proteínas devem ser consumidos distantes dos horários de atividade física e de forma fracionada, ou seja, em várias refeições ao longo do dia, garantindo o melhor aproveitamento dos aminoácidos na recomposição das fibras musculares, manutenção e formação dos músculos.
É importante também não descuidar do consumo de carboidratos na quantidade e horários recomendados. Além de garantir a manutenção do tônus muscular, os carboidratos mantêm os depósitos de glicogênio muscular e hepáticos sempre repletos e preservam a utilização da proteína como fonte de energia.

Fonte: uol

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Jogos Escolares 2011: saiu a programação

Os jogos escolares do Acre tem ao longo de 12 anos valorizado o esporte educação estimulando a participação dos alunos aos diversos esporte incluido na programação de todas as edições.

Os jogos escolares este ano acontecerá em 4 fases: 1. fase municipal, 2. fase regional, 3. fase entre Regionais, a escola campeã participará da 4ª fase, a Estadual, em Rio Branco. A fase municipal é de respomsabilidade das Prefeituras, as fases regional e estadual compete ao Estado executar.

Na última 6ª feira, a coordenação municipal, representada pelo professor Ivonaldo Benigno, realizou uma reunião com os professores de Educação Física para elaboração da tabela, programação e definição da abertura dos jogos, que ficou assim defenida:

Início, 5ª feira, dia 19 de maio de 2011, término, dia 22, domingo, do mesmo mês e ano.

dia 19 de maio de 2011

- às 8h - abertura dos jogos em frente a Prefeitura de Tarauacá com presença de todas as Escolas e alunos.

- às 9h - início dos jogos no ginásio Ruynet Lima de Matos

- encerramento: dia 22 de maio - domingo

A tabela está pronta será postada a qualquer momento.


Correr ouvindo Música: prós e contras


Especialistas com opiniões divergentes sobre a música na corrida expõe os prós e contras do seu uso.

Os mais puristas dispensam os fones. Acreditam que estar ligado ao que acontece ao redor é uma parte essencial da corrida. Mas o fato é que, a cada dia, aumenta o número de corredores que não imaginam dar um passo sequer sem o impulso de suas músicas prediletas. Em 2007, a Federação Norte-Americana de Atletismo proibiu o uso de aparelhos de som portáteis em seus eventos, chegando a retirar da pista 144 corredores na Maratona de Minneapolis a Saint Paul. Depois, a medida foi suavizada – passando a valer apenas para atletas de ponta, mas a discórdia continua. Entre seus defensores está o inglês Costas Karageorghis, psicólogo do esporte que estudou a influência positiva da música sobre atletas. Do lado oposto está o canadense Jim Denison, sociólogo do esporte e treinador. Ele acredita que o melhor mesmo é correr ao som dos seus próprios passos. Conheça agora os argumentos desses dois especialistas: os "prós" são de Karageorghis e os "contras", de Denison.

1. Qual é a questão central em torno de correr ouvindo música?

Pró
Costas Karageorghis - Às vezes, a música pode fazer com que correr pareça mais fácil. Estudos demonstram que ela reduz a percepção de intensidade do exercício em cerca de 10%. Um estímulo externo como esse é capaz de literalmente bloquear alguns dos estímulos internos que tentam chegar ao cérebro, como mensagens sobre fadiga enviadas por músculos e órgãos. Quando essas mensagens são bloqueadas, a percepção de esforço do corredor é reduzida e você tem a sensação de que pode correr mais rápido e por mais tempo. Isso não ocorre em níveis altos de esforço — nesse caso, o cérebro muda sua atenção dos estímulos externos para os internos. A música também eleva aspectos positivos do humor, como entusiasmo e felicidade, enquanto reduz aspectos negativos, como tensão, cansaço e confusão. Por isso, ela pode ajudar no desempenho, já que trabalha na questão emocional do corredor.

Contra
Jim Denison - Um problema importante é o fato de que ouvir música o distancia dos outros sons produzidos pelo ato de correr, como a respiração e o impacto das passadas, que são informações preciosas. Eles lhe dão um retorno sobre seu esforço. Correr ouvindo música também afasta a pessoa do ambiente em que ela está, o que pode ser perigoso. Você pode não ouvir um carro ou uma pessoa atrás de você, ou uma tempestade que se aproxima. No caso das provas, isso o isola dos outros corredores e impede que você ouça as instruções dadas pelos organizadores. Você andaria de carro ou de bicicleta com fones de ouvido? Provavelmente não — ou não deveria —, porque isso reduz sua atenção e aumenta seu tempo de reação. Eu quero que esses aspectos trabalhem a meu favor. Além de tudo, acredito que corredores podem se tornar dependentes de música. Pode-se chegar a um ponto em que você perde a noção daquilo que é realmente motivador para você, como a sensação de energização provocada pela corrida.

2. Alguns corredores precisam de música mais que outros?

Pró
Sim. Na verdade, a música não é eficaz para indivíduos que podemos definir como "associadores". Atletas que levam o esporte a sério tendem a ser associadores, o que significa que eles se concentram intencionalmente nas informações internas, como respiração, batimentos cardíacos e tensão muscular. Esse tipo de atleta tende a não obter tantos benefícios de estímulos externos como a música. Por outro lado, há os “dissociadores”, a categoria na qual a maioria dos corredores — fisicamente ativos, mas longe de serem atletas de ponta — se encaixam.
Para essas pessoas, a música pode ser uma força motivacional. Os dissociadores buscam esse tipo de fator para distraí-los do tédio normalmente associado ao exercício físico.

Contra
Corredores de elite podem ter maior tendência a não precisar de auxílio externo para lidar com a suposta monotonia da corrida. Mas eu não acho que todo mundo entenda o ato de correr como um meio para se chegar a um fim. Não deveríamos partir do princípio de que as pessoas acham que correr é chato e precisam de música para suportar a atividade. Muitas pessoas gostam de correr e de estar presentes na sensação de movimento. Você não precisa ser um atleta de elite para estar em sintonia com seu corpo.

3. Há quem diga que correr refresca a mente. Como a música afeta isso?

Pró
No "estado de fluxo", que se caracteriza por uma imersão completa no que se está fazendo, o tempo parece parar. Você sente prazer naquilo que está fazendo, centrado em si mesmo. Porém, há pesquisas mostrando que a música pode ajudar a aprimorar esse estado durante a corrida. Assim, ela pode se tornar parte dessa experiência holística e não algo separado (ou ainda em detrimento dela).

Contra
A capacidade de estar calmo, em paz, se perdeu em nossa cultura; abrimos mão disso para fazermos várias coisas ao mesmo tempo — a chamada multitarefa. Eu diria que ouvir música durante a corrida é uma forma de multitarefa. É o que nos mantém “plugados” e impede que a experiência de correr seja realmente apreciada.

4. Quando se corre em uma esteira, música é uma necessidade?

Pró
Ouvir música na esteira é provavelmente melhor que fazê-lo ao ar livre. Afinal, não há perigos em relação ao tráfego. A corrida em ambientes abertos traz naturalmente elementos de distração, por causa da paisagem, e esses estímulos podem aliviar o tédio. Na esteira, você não tem esses estímulos, ou os tem em menos quantidade, o que torna a música bastante útil. Quanto menos se percebe o esforço, menor o tédio.

Contra
Discordo. Quando você corre com seu MP3 em uma esteira, você não consegue ouvir suas passadas ou sua respiração e, por consequência, não está aprendendo a associar essas informações com seu nível de esforço. Você fica desconectado da corrida. Por que correr na esteira deveria ser diferente de correr ao ar livre? A mesma conexão positiva com o próprio corpo pode ocorrer em qualquer contexto e, na minha opinião, isso é sempre melhor do que a interferência da música nas sensações de correr e de se movimentar. Observo atletas o tempo todo, correndo na esteira e ao ar livre. Independentemente de onde estão, sempre percebo que, quando ouvem música, eles se tornam quase robóticos. Eles ligam o som simplesmente para encarar o treino. Se você observar pessoas correndo sem música, verá que a abordagem é bastante diferente — elas têm mais foco.
5. O que você acha de corridas que tocam música durante o percurso?

Pró
Algumas das nossas pesquisas mais recentes estudaram o efeito de usar música em pontos predeterminados em vez de executá-la ao longo de todo um trajeto. Esse parece ser o modo mais eficiente de se utilizar a música, o que me leva a acreditar que ter música em pontos específicos ao longo de uma prova pode ter efeito positivo.

Contra
Acho que a música durante as corridas pode ser um tiro pela culatra se ela o tirar de seu ritmo, fazendo com que você acelere em uma subida porque está passando por uma banda. Não é eficiente gerenciar uma corrida de modo tão desigual e, mais tarde, você vai pagar o preço. Para me prevenir contra isso, eu usaria um cronômetro e verificaria o mapa do percurso com antecedência. Isso ajuda a saber qual deve ser seu ritmo na competição. O mais importante é estar consciente de que a música pode afetá-lo de forma negativa e estar determinado a não deixar que isso aconteça.
6. Como os corredores podem usar a música a seu favor?

Pró
Os benefícios da música tendem a se manifestar em corridas de intensidades leves e moderadas. Eu diria que é melhor contar com ela em seus dias de treino mais fácil. Também estamos investigando a aplicação sincrônica da música, ou seja, fazer com que o atleta conscientemente associe seu ritmo de passadas ao ritmo da música, o que pode resultar em um uso mais eficiente do oxigênio durante a corrida. Para realizar a corrida sincrônica, você deve descobrir o ritmo de passadas que você deseja fazer (o número de vezes que seus pés tocam o chão por minuto) e então pesquisar músicas cujas batidas por minuto (bpm) estão levemente acima desse número — uma ou duas batidas por minuto a mais já são suficientes. Além disso, constatamos que o método mais eficaz consiste em dois treinos com música e um sem. Se você ouvir música em todos os treinos, você pode perder a sensibilidade, ou ficar dependente dela em competições.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

PT: 31 ANOS DE CONSTRUÇÃO


O Partido dos Trabalhadores de Tarauacá faz um breve histórico de seus 31 anos de construção política e fala sobre a unidade da Frente Popular do Acre – FPA - em Tarauacá.

Tarauacá está completando 98 anos de história. O PT está vivendo seus 31 anos de luta e de construção. Os avanços no Brasil, no Acre e em Tarauacá é uma afirmação dessa construção.

1. No Brasil a partir de 2002 com a eleição do companheiro Lula, a esperança venceu o medo, o Brasil  iniciou um processo de recuperação de suas instituições ao mesmo tempo trabalhava-se a implantação de um programa de Governo que buscava sua independência política e financeira. O PT de forma madura, pensando sempre no bem do Povo brasileiro, mudou sua atuação na Gestão, entendendo que a construção de um povo não se faz isoladamente. Essa construção não seria possível sem a participação do povo brasileiro, representada pelos sindicatos, associações, igrejas, movimentos sociais, enfim, ouvindo as pessoas com o propósito de recuperar o sentimento patriótico e conquistar de fato nossa Independência. A consolidação das conquistas veio com a eleição da Presidenta Dilma. A afirmação é revelada no sentimento de cada brasileiro, cada mulher e homem deste País.

2. Em  Tarauacá, no ano de 1997, o PT juntamente com o PC do B, recuperaram auto-estima da população quando o conceituado médico Dr. Jasone Silva e o Professor Moisés Diniz, entendendo que podiam fazer mais por Tarauacá, formaram uma chapa juntos, com Jasone prefeito e Moisés vice. A população vivia uma grande incerteza quanto ao seu futuro. PT e PC do B organizaram a cidade. Veio o orçamento participativo, o fortalecimento das instituições municipal, que estava enfraquecida, pagamento de salário em dia que não existia, emponderamento ao comércio local, aquecimento da economia e geração de emprego e renda, prioridade para educação (existiam 14 escolas, terminaram o mandato com 131) e saúde com construção de postos e atendimento aos trabalhadores rurais. Enfim, foram muitos os avanços com a administração do PT e PCdoB em Tarauacá.

3. Nos últimos anos Tarauacá tem passado por momentos difíceis na condução do executivo e do legislativo. Precisamos urgentemente abrir um debate sobre o futuro da nossa população. Quando falamos em abrir um debate, estamos falando de agregar lideranças, partidos da FPA, sindicatos, associações, e dentro de suas instâncias iniciarem um debate sobre o que é melhor para nossa cidade nos próximos anos, o presente está sendo conduzido de forma a atender perspectivas básicas da população. A gestão não se faz só, mas com um conjunto de atores que atuam em peças políticas diversa, mas que visam o melhor para todos, baseado fundamentalmente nos compromissos,  nos princípios éticos e no cuidado com a coisa pública.

4. O PT está iniciando um debate sobre suas futuras candidaturas. Em Tarauacá o Partido dos Trabalhadores colocará seus nomes para avaliação do povo e da FPA. O diálogo com outros partidos e lideranças está sendo construído de forma madura sem sair do foco político da FPA, qual seja, unidade, ouvindo e conversando com todos e respeitando os nomes apresentados pelos partidos, pautado no diálogo e nos argumentos das forças. É um direito dos Partidos colocarem para avaliação da FPA os seus pré-candidatos. O PT não condiciona candidatura, o que buscamos é o entendimento entre os partidos que defendem o melhor para Tarauacá. A exemplo, em 2008, com grandes possibilidades de vencermos as eleições com uma candidatura nossa pra prefeito, o PT foi grande, saímos de vice do PCdoB. Naquele ano considerávamos o melhor momento para uma candidatura do PCdoB, foi debatido, argumentado e chegamos a um entendimento, todos do PT os apoiaram sem exceção. Estamos construindo um novo tempo para Tarauacá. É um direito e dever do PT e demais Partidos se articularem e defender o melhor para nossa população.

5. Dentro da estrutura de funcionamento do PT não existe “grupo”, existe sim, segmentos ideológico defendidos com fundamentos no socialismo, fortalecendo cada vez mais a democracia interna do Partido. Vale as decisões tomadas pela maioria e são soberanas. No PT, as decisões que influenciam na vida diária do cidadão são tomadas de forma conjunta e ouvindo o próprio cidadão.

Tarauacá é uma cidade que se destaca pelo talento de sua gente.

Vamos usar esse talento para o bem de todos nós.


Parabéns Tarauacá!


Partido dos Trabalhadores de Tarauacá

segunda-feira, 2 de maio de 2011

O poder, a morte e o espetáculo

Por Brizola Neto

O episódio da morte de Osama Bin Laden, depois de 10 anos anulado como chefe minimamente capaz de qualquer estrutura terrorista, cuja a única preocupação era fugir da intensa perseguição que lhe fazia o maior exército e os maiores meios tecnológicos do mundo, tem menos importância na questão do terrorismo do que nos rumos sombrios da ordem internacional vivida hoje pelo mundo.
Não se trata, aqui, de discutir o óbvio, a condenação como crime bárbaro da monstruosa morte de mais de três mil civis no World Trade Center.
A evidência curiosa – e terrível – este episódio é o exercício imperial do poder militar norte-americano de transformar sua vontade em lei e sua capacidade em transformar sua aplicação em espetáculos bélico-midiáticos e…eleitorais.
Em 2003 – ano da véspera de sua reeleição – Bush recuperou o prestígio de sua desastrosa administração com a Guerra do Iraque, a partir de março. Saddam Hussein foi apresentado como um aliado de Bin Laden e um perigo atômico para o mundo. Num discurso so Congresso americano, Bush afirmou: “Hussein tinha um programa de armas nucleares avançadas, tinha um projeto para uma arma nuclear e estava trabalhando em cinco diferentes métodos de enriquecimento de urânio para uma bomba. O governo britânico descobriu que Saddam Hussein procurou recentemente quantidades significativas de urânio da África. Fontes de inteligência nos dizem que tentou comprar tubos de alumínio de alta resistência apropriado para a produção de armas nucleares. Saddam Hussein não explicou essas atividades, de forma crível. Ele claramente tem muito a esconder.”
O ridículo destas palavras, hoje, é tão evidente que não se pode acreditar que tenham sido a razão de uma invasão avassaladora e de dezenas ou centenas de milhares de mortes.
É igualmente curioso – e terrível – o pronunciamento de ontem de Barack Obama. Teatral do início ao fim – inclusive na saída de costas, caminhando solitário pelo corredor da Casa Branca. O efeito dramático era o objetivo, pouco importando que se fosse anunciar ali a morte de um homem.
De um homem, mas não de uma política belicista. As tropas norte-americanas não estão arrumando suas mochilas para embarcar de volta.
Evidente que foi uma vitória desta política. Mas esta política jamais pode ser vitoriosa, definitivamente, porque violenta o principio da soberania das nações.
O mundo saudou a eleição de Barack Obama como uma esperança do fim da violência e da guerra como formas de resolver os problemas do mundo e as relações entre os países.
O Barack Obama que não pôde desmontar a prisão de Guantánamo com que Bush sujou a imagem de liberdade, lei e democracia que os americanos dizem lhes ser sagradas, conseguiu algo mais complexo: a morte do homem que ridicularizou a capacidade bélica do governo de seu antecessor, cuja afirmação custou muito mais vidas – inclusive de americanos – que o atentado das Torres Gêmeas.
Vamos viver um dia – ou alguns dias – mergulhados num espetáculo mórbido. “Como foi, quantos tiros, o corpo foi jogado ao mar ou não (chega a ser irônico que digam que isso teria sido feito para respeitar a lei islâmica), se era ou não era ele”, os festejos semelhantes ao de um jogo de futebol vencido, são os temas que vão estar exaustivamente debatidos sobre o cadáver de Bin Laden.
Mas o essencial nada tem a ver com isso.
O que significou, em 2004, um triunfo para os republicanos de Bush vai significar, provavelmente, também uma vitória eleitoral para os democratas de Obama.
E, em qualquer caso, uma derrota para uma ordem internacional onde não haja mais uma “polícia do mundo” e, em seu lugar, floresçam povos livres. Livres, inclusive, dos ódios que levaram à tragédia do World Trade Center.

domingo, 1 de maio de 2011

Exercício no calor


Ajustes Circulatórios
O corpo depara-se com duas demandas cardiovasculares competitivas ao exercitar-se em um quente:
1 - Os músculos necessitam do fornecimento de sangue arterial (oxigênio) para suportar o metabolismo energético.
2 - O sangue arterial deve ser desviado para a periferia a fim de transportar calor metabólico para que ocorra esfriamento na superfície da pele; esse sangue não pode fornecer seu oxigênio aos músculos ativos.
O exercício submáximo produz débitos cardíacos semelhantes em ambientes quentes e frios. Entretanto, o volume sistólico do coração costuma ser mais baixo no calor, em proporção direta com o déficit de líquido criado no exercício.
O volume sistólico reduzido está associado intimamente à redução no volume sangüíneo. Isso corresponde a freqüências cardíacas mais altas para todos os níveis submáximos de exercício no calor. Em contrapartida, o aumento compensatório reflexo na freqüência cardíaca no exercício máximo não consegue contrabalançar a redução no volume sistólico, o que acarreta uma queda no débito cardíaco máximo.

Perda de Água no Calor: Desidratação
A desidratação refere-se à perda de água corporal. Uma sessão moderada de exercício durante 1 hora em geral produz uma perda de suor de 0,5 a 1,01. Uma perda hídrica muito maior ocorre com várias horas de exercício árduo em um ambiente quente.
Uma perda de água que não é induzida pelo exercício ocorre também quando atletas de potência (lutadores, boxeadores, levantadores de peso e remadores) tentam agressivamente “ajustar o peso” através de uma redução ponderal rápida utilizando técnicas comuns de desidratação – exposição ao calor extremo por sauna, sala a vapor, turbilhão ou ducha de água quente, restrição de líquidos e de alimentos, uso de diuréticos e laxativos, e vômitos.
Com freqüência, os atletas combinam essas técnicas na esperança de acelerar a perda de peso. O risco de enfermidade induzida pelo calor aumenta muito quando alguém começa a exercita-se em um estado desidratado.
A tolerância reduzida ao calor compromete profundamente a função cardiovascular e a capacidade de realizar exercícios, particularmente com exercício intenso em ambientes quentes. Já que o suor continua sendo hipotônico em relação a outros líquidos corporais.

Cãibras Induzidas pelo Calor
As cãibras induzidas pelo calor (espasmos musculares involuntários) ocorrem durante ou após uma atividade física intensa, habitualmente nos músculos específicos exercitados. Com freqüência, a temperatura central se mantém na variação normal.
Um desequilíbrio no nível dos líquidos corporais e nas concentrações eletrolíticas produz essa forma de enfermidade induzida pelo calor. A transpiração também acarreta perda de eletrólitos durante a exposição prolongada ao calor.
Se esses minerais não forem repostos, podem ocorrer dores e espasmos musculares, mais comumente no abdome e nas extremidades. A ingestão de grandes quantidades de água e o aumento na ingestão diária de sal vários dias antes do estresse térmico em geral previnem essa enfermidade relacionada ao calor.
Vestimenta para Clima Quente
A vestimenta seca, por mais leve que seja, retarda a permuta de calor muito mais que a mesma vestimenta plenamente úmida. Recorrer sistematicamente a um novo uniforme seco de tênis, de basquete ou de futebol americano (sempre que estiver molhado) faz pouco sentido em um clima quente para conseguir a regulação da temperatura. A perda de calor por evaporação ocorre somente quando a roupa fica totalmente molhada. Um uniforme seco serve simplesmente para prolongar o período de tempo entre a transpiração e o esfriamento evaporativo.
Materiais diferentes absorvem água em ritmos diferentes. As roupas de algodão e de linho absorvem prontamente a umidade. Em contrapartida, as “blusas para suar” pesadas e as roupas de borracha ou de plástico produzem uma alta umidade relativa próximo da pele, retardando a vaporização da umidade existente em sua superfície; isso reduz acentuadamente ou até previne o esfriamento evaporativo.
A vestimenta para um clima quente deve ser folgada para permitir a circulação livre do ar entre a pele e o meio ambiente de forma a promover a convecção e a evaporação a partir da pele. A cor também exerce alguma influencia; as cores escuras absorvem os raios luminosos e promovem os ganhos de calor radiante, enquanto as roupas de cores claras refletem os raios de calor.

Verão: O calor e a reposição de líquidos


Com o aumento da temperatura ambiente nesta época do ano, torna-se sempre oportuno abordar alguns aspectos relativos ao problema de uma hidratação adequada, não somente para quem faz atividades físicas, como também para os sedentários.

Um indivíduo em repouso, mantém a temperatura corporal produzindo calor através dos processos energéticos celulares e perdendo calor para o meio ambiente, mantendo assim sua temperatura constante. Existe um centro regulador da temperatura corporal localizado no cérebro, que é o controlador deste processo.

Ali se situa uma espécie de “termostato” ajustado para manter uma temperatura em torno de 37°C no sangue. A principal forma de perder calor pelo corpo é através da evaporação do suor produzido na superfície do corpo. Portanto, manter a temperatura corporal, significa principalmente perder água e sais pelo suor.

Quando a temperatura ambiente e a umidade do ar aumentam, a quantidade de suor produzido e evaporado torna-se muito maior.

Num dia quente, é comum perdermos 2 litros de suor por dia, às vezes até sem perceber, se o ar estiver seco. Assim sendo, é fundamental a reposição adequada de água e sais para se evitar comprometimento da saúde. É lógico que o mecanismo da sede atua de forma a estimular a ingestão de líquidos, estabelecendo assim o equilíbrio necessário.

No entanto, as crianças e os idosos nem sempre repõem todo o líquido necessário, por motivos comportamentais, constituindo motivo de preocupação nos dias mais quentes. Devemos portanto sempre estimular as crianças e idosos a ingerir líquidos para evitar a desidratação.

Nas crianças a situação merece sempre mais cuidado, porque existe uma atividade física espontânea, aumentando ainda mais a produção de calor e sudorese.

No praticante de exercícios físicos, a reidratação chega a ser um problema prioritário. Num dia muito quente, uma hora de exercícios físicos pode facilmente provocar a perda de 2 litros de suor. Nesta situação, nem sempre a sede é proporcional à necessidade de reposição de líquidos, havendo uma tendência de o indivíduo beber menos que o necessário.

Estima-se que 80% dos problemas de mal estar durante a prática de exercícios de longa duração sejam devidos à desidratação.

Repor líquidos durante o exercício no calor é portanto uma questão de sobrevivência!


 
Fonte: abril.com