terça-feira, 15 de março de 2016

O valor da familia

Não há felicidades e nem vitória se não tivermos uma família como motivadora. 



Pessoas que vemos crescer, aprendemos a respeitar e tê-las como família. Nos motivam e nos faz refletir sobre nossos atos e atitudes...Pessoas simples, humanas e com outros sonhos a realizar...Os adjetivos se encaixam numa família que aprendi a gostar e me tornar parte dela. Marcel, Dora, Racibe, Amaral e Neto.



Tenho certeza que nenhuma pessoa pode ser plenamente vitoriosa se não tiver uma boa família, Pai, mãe, irmãos, esposa e filhos. Grande parte de minhas conquistas, além da ajuda de Deus, devem ser tributadas à minha esposa, Joelma Catão, que tem sido uma companheira maravilhosa, e a meus filhos Maria de Lourdes e Luis Caetano.



Depois que crescemos, construímos nossa própria família...Trazemos os princípios, a vida cristã, os ensinamentos, o modo de ver e encarar a vida, passados por nossos Pais enquanto estamos com eles, a base...Obrigado pela boa educação, pelos irmãos e pelo acolhimento.

A fé e a família são primordiais para a conquista de vitórias.




Josman, Luis Caetano e Joelma Maria

Joelma Catão e Maria Verônica


 Pai e Filho, nas margens do Rio Tarauacá


Filho e Mãe

Pai e Filho


Familia reunida



Em fim...

segunda-feira, 14 de março de 2016

Operação Casca de Banana - Por Walter Bom Braga


O golpe, a princípio estava estruturado na seguinte cronologia.
Na quinta-feira dia 10/03, as revistas Veja ou Época publicariam a delação manipulada de Delcídio, que foi originada em dezembro, mas estava reservada para ser revelada essa semana.
No dia seguinte, na sexta-feira dia 11/03, Sérgio Moro prenderia Lula.
No sábado dia 12/03, a convenção do PMDB abandonaria o governo.
No domingo dia 13/03, o povo inflado pela intensa cobertura da mídia, gerava clamor nacional, e na próxima semana votavam o impeachment derrubavam a Dilma e talvez soltassem o Lula.
O PMDB colocava tucanos no governo e fechava a Lava Jato, só com nomes petistas e cassava a legenda do PT. Porém algo deu errado, algo vazou. A jornalista que publicou na Revista ISTO é namorada o ex-ministro da justiça, Eduardo Cardozo. Essa revista nunca tinha publicado furos da lava jato. Suspeito que o governo, antecipou o furo para desarmar a bomba e ganhar uma semana para defesa.
Assim tudo perdeu a cronologia inicial. Dessa forma, Moro teve antecipar a prisão de Lula em uma semana, e tentou prender o Lula na semana passada, mas algo deu errado. Os políticos de oposição e a mídia golpista já sabiam com antecedência, tanto que o Jair Bolsonaro estava em Curitiba com fogos de artifício para receber o Lula algemado. O redator da Época disparou um Twitter de madrugada dizendo que o dia seria cheio de paz e amor, no dia da condução coercitiva de Lula.
Há rumores de que foi a Aeronáutica, que impediu que o Lula fosse preso pelos agentes da Polícia Federal de Sérgio Moro, cercando o avião que levaria o Lula para Curitiba. Porque eles fariam isso? Uma ordem dessas só pode ter vindo do alto escalão e não poderia ser realizada sem um bom embasamento ou a PF poderia acusar o militar que deu essa ordem de conspiração e obstrução da justiça. O que ocorreu depois? Sérgio Moro botou a viola no saco e começou a afinar o discurso.
Como a prisão de Lula foi debelada, tiveram que apelar para um plano B, que consistia no pedido de prisão realizado por Cássio Conserino, na quinta-feira dia 10/03, com a esperança de que Lula fosse preso no dia 11/03 e recolocar o golpe nos trilhos. Para isso foi escolhido uma juíza inexperiente para ceder à pressão dos golpistas.
O perfil dessa juíza não condiz com a importância da decisão. Sabemos agora que a juíza negou o pedido de prisão do Lula, resolvendo tirar o dela da reta. A decisão estava marcada inicialmente para segunda-feira, muito provavelmente ela foi pressionada para antecipar a decisão, mas foi esperta e não cedeu à pressão. Entretanto, apesar de tudo ter sido muito bem tramado o governo está conseguindo desmantelar, pois Lula continua solto, não foi preso as vésperas das manifestações.
O que ainda não entendi foi porque todos os atores que há um ano vem tramando o golpe foram unanimes em criticar o pedido de prisão de Lula emitido pelo Ministério Público de São Paulo Ou fizeram isso para camuflar o ímpeto golpista ou para mostrar isenção ou porque o governo pegou eles em flagrante. Deve ser uma dessas três alternativas.
Na coletiva do governo, Dilma estava com um tom irônico e sarcástico, ela deixou uma suposta pista para os jornalistas, acho eu. Ela no final disse algo assim: “eu iria falar em inglês com vocês, mas eu não lembro como se fala casca em inglês, isso é uma casca de banana” Ela falou isso diretamente para os jornalistas da Globo e das demais mídias golpistas, que insistiam em polemizar na pergunta se Lula seria Ministro ou não. O engraçado foi que ela falou isso com o sorriso mais sarcástico que já vi na vida.
No meio da tarde o Ricardo Noblat, publica um Twitter dizendo que o golpe era engendrado pelos políticos corruptos que queriam derrubar a Dilma para acabar com a Lava Jato, antes que chegassem neles. Essa mudança de ímpeto de um dos principais ativistas do golpe é realmente muito estranha. Podem ter certeza que tem caroço nesse angu e que em breve teremos grandes novidades.
Eu posso estar viajando, ou até mesmo delirando, mas acho que o governo está com uma investigação contra os golpistas de nome “casca de banana” Isso explica a mudança de tom de Ricardo Noblat de ativista do Golpe para defensor da Dilma nos minutos finais que antecedem os movimentos importantes e decisivos.
Acho que a Dilma colocou a Agencia Brasileira de Inteligência (ABIN) para investigar os golpistas e ela conseguiu apurar as provas necessárias para debelar o golpe. Depois que o Temer escreveu aquela carta infame para a Dilma, houve boatos, de que Temer desconfiava que a Dilma tinha colocado a ABIM em cima dele.
Vamos aguardar amanhã como será o desfecho da reunião do PMDB, se eles vão romper com o governo conforme intencionavam, quando marcaram a reunião às vésperas das manifestações, ou se vão ser intimidados pela falha da operação de não prender o Lula.
O Lula, mesmo estando acuado com a essas ameaças negou aceitar a indicação para ministro e assim abriu mão de ganhar a proteção do foro privilegiado, e já marcou presença na passeata do dia 18/03. Eu acredito que nas vésperas dessa passeata a verdade virá à tona e os golpistas serão debelados. É esperar para ir ajustando as análises à medida que novas informações virão a público. Mas eu acredito que tem algo muito grande e estranho se movimentando no fundo.
Acredito piamente na tentativa de golpe, que foi montado pelos políticos do PMDB e do PSDB com da intensa participação da mídia golpista (PIG), com a flagrante participação do judiciário seletivo e de uma parcela da Polícia Federal. Acho que o golpe deve ser liderado pelo Eduardo Cunha. A cada hora, mais um indício sugere que a coisa é maior do que a gente imaginava.
Vamos aguardar novas pistas. Se eu não estiver certo, amigos, se o governo não tiver agido de forma preventiva, se a Dilma não tiver partido para o ataque. Amanhã, quando o PMDB, abandonar o governo (se abandonar), será quase a vitória do impeachment, mesmo sem a prisão de Lula.

Sabemos que o impeachment não possui lastro jurídico para isso. Se eles aprovarem o impeachment, e com a participação do PMDB eles vão conseguir, vamos ter que ir para as ruas e botar esse golpistas para correr na marra. Entretanto, se a Dilma tiver agindo como eu suponho, não será a Dilma que vai escorregar na casca de banana, serão eles.


Por que Lula Deveria Sim Ser Ministro – Por Paulo Nogueira



“Ficaria decepcionada se o Lula aceitasse um convite para ser ministro”, ouço de minha mulher, Erika.

Não tinha ainda refletido detidamente sobre o assunto, mas a frase de Erika me estimulou a fazer isso.

Por que alguém progressista como ela se decepcionaria?

A resposta padrão é mais ou menos esta: Lula ganharia foro privilegiado e se livraria das garras de Moro, mas mostraria medo. Ficaria claro, para muita gente, que ele tem algo a esconder.

Ora, ora, ora. Não poderia discordar mais.

Se Lula estivesse numa disputa com Mujica ou com o papa Francisco, eu concordaria.

Mas ele está medindo forças – involuntariamente – com forças que lembram não Mujica, não Francisco, mas Al Capone.

Você tem que jogar o jogo conforme seu adversário, e não de acordo com seus sonhos. Esta é a realidade. Pode não ser idílica, ou utópica, ou romântica. Mas esta é a única realidade que temos.

Avalie os escrúpulos e o caráter dos que estão do outro lado. A Globo e a família Marinho, Aécio, FHC, a Veja e os Civitas, a Folha e os Frias, Moro e a PF, e isso para não falar dos Eduardos Cunhas e dos Conserinos.

Eles querem preservar seus formidáveis privilégios, e para isso buscam loucamente um golpe sob os pretextos mais esdrúxulos.

Desde a saída dos resultados, a vitória de Dilma é contestada da maneira mais infame possível. A desculpa A não colou? Vamos para a B. Também ela não vingou? Passemos para a desculpa C. E nisso foi um alfabeto inteiro de pretextos que escondiam uma única coisa: um golpe. Um crime de lesademocracia que jogaria, ou jogará, o país mais de meio século para trás.

Os índios americanos entraram na história por episódios de resistência épicos em que opunham pedrinhas às balas dos predadores brancos.

É lindo, é comovente, mas é claro que eles usariam outras armas se as tivessem.

Contra predadores, e é disso que se trata, você tem que ajustar sua estratégia à índole dos inimigos.

Lula já errou demasiadamente nisso.

Por exemplo. FHC nomeou um amigo para a Procuradoria Geral da República, o tristemente famoso Brindeiro, engavetador de qualquer coisa que pudesse embaraçar a presidência.

Lula se recusou a nomear uma réplica de Brindeiro. Colocou o primeiro da lista que lhe foi passada pelos procuradores.

Deu no que deu.

No STF, ele fez o mesmo. FHC indicou juízes como Gilmar Mendes. Uma das primeiras indicações de Lula foi Eros Grau, de conhecida simpatia pelo PSDB. (Fez campanha por Aécio em 2014).

Isso não é republicanismo. É ingenuidade, é tolice, é não enxergar do que são capazes os que detestam você.

A direita prega para os rivais um republicanismo que ela jamais praticou.

A hora dura pede ousadia, pede inovação. Lula como ministro é uma resposta a quem deseja apenas tirar Dilma do jeito que for e impedir que Lula concorra em 2018.

A reação popular seria esta. Os que detestam Lula continuariam a detestá-lo. Os que o amam continuariam a amá-lo.

Que as urnas digam, em 2018, qual destes grupos é maior.


Paulo Nogueira, é jornalista, fundador e diretor do site de notícias e análises Diário do Centro do Mundo


quinta-feira, 10 de março de 2016

Três Mestres de Vida



O importante não é viver,
mas viver segundo o bem.
SÓCRATES

Há mais alegria em dar
do que em receber.
JESUS

Que todos os seres sejam felizes.
Nascidos ou ainda por nascer,
que sejam todos perfeitamente felizes.
BUDA


Sócrates, Jesus e Buda nos ensinam a viver. O testemunho de suas vidas e o ensino que eles propõem é universal. A mensagem deles centra-se no ser individual e em seu crescimento, sem jamais negar a necessária inserção no corpo social. Sugere uma sábia dosagem de liberdade e de amor, de autoconhecimento e de respeito pelo outro. Embora se enraíze de diversas formas em bases de crenças religiosas, ela nunca é friamente dogmática: sempre tem sentido e recorre à razão. E também fala ao coração.

Jesus chega de manhã cedo ao átrio do Templo de Jerusalém e ensina à multidão. Surgem os escribas e fariseus, quer dizer, os notáveis religiosos atentos ao respeito à Lei. Eles põem diante de Jesus uma mulher surpreendida em flagrante delito de adultério, e lembram a ele que a Lei de Moisés ordena o apedrejamento como castigo para esse delito. O objetivo deles é pôr Jesus à prova. Desconfiam de que Jesus se recuse a mandar aplicar a Lei determinada por Moisés.

Em vez de responder, Jesus se abaixa e traça algo na terra. Ninguém sabe o que ele escreveu, mas, segundo sabemos, são as únicas palavras que ele escreveu de próprio punho. É claro que, abaixando-se, ele recusa o confronto violento do olhar com seus interlocutores. Ele deixa passar um momento de silêncio, se ergue e lhes diz: “Quem dentre vós estiver sem pecado, seja o primeiro a lhe atirar uma pedra.” Em seguida, sempre evitando o confronto, abaixa-se e continua a escrever na terra.

Os acusadores da pecadora se retiram então um a um, “A começar pelos mais velhos”, diz o Evangelho. Ficando sozinho diante da mulher, Jesus pôde então erguer-se. Ele não procurou humilhar seus acusadores, encarando-os; ele se apagou, retirou-se, para deixá-los a sós com sua consciência. Foi também o melhor modo de salvar a vida daquela infeliz que foram buscar ao amanhecer no leito do amante, e que eles arrastaram, provavelmente nua, até o átrio do Templo.

Fazendo um círculo em torno deles, a multidão e seus discípulos assistiram em silêncio, cuja intensidade dramática se pode adivinhar. Somente então ele se dirige à acusada: “Mulher, onde estão eles? Ninguém te condenou?” Ela respondeu: “Ninguém, senhor.” Disse então Jesus: “nem eu te condeno; vai, e de agora em diante, não peques mais” (João, 8:1-11).

Jesus se recusa, pois, a aplicar a pena prevista pela Lei. Evidentemente, ele reconhece a realidade do erro, já que lhe pede para não mais pecar. Mas certamente julga a pena desproporcional e sente compaixão pela mulher, como, aliás, por todos os pecadores que ele encontra. Com esse gesto, ele testemunha que o perdão suplanta a Lei e, sobretudo, que ele é infinitamente mais eficaz para salvar as almas de sua cegueira.

Jesus mostra que o amor e a compaixão estão acima da justiça. É preciso, de certo, que haja regras, leis, limite, e em parte alguma ele contesta a necessidade disso. Para ele, porém, a aplicação da justiça se deve fazer com misericórdia, levando-se em conta cada pessoa, sua história, o contexto, e também a intenção, o que se passa na intimidade da alma, que ninguém pode sondar e muito menos condenar de fora.

Essa questão permanece de uma atualidade candente. Pode-se constatá-lo por um caso recente (março de 2009), acontecido no Brasil, o caso da menininha de 9 anos que engravidou de gêmeos depois de ter sido violentada pelo padrasto. O arcebispo do Recife excomungou a mãe e a equipe médica que praticou o aborto para salvar a vida da menininha. O cardeal Batista Re, prefeito da Congregação dos Bispos e braço direito do papa Bento XVI, confirmou a sentença, explicando que o arcebispo somente tinha posto em prática o direito canônico que excomunga, de fato, qualquer pessoa que pratique o aborto, por qualquer motivo que seja.

Imaginemos a cena evangélica transportada para hoje: os cardeais e os especialistas em Direito Canônico fazem comparecer a mãe da menininha e o médico diante de Jesus e lhes dizem: “A Lei nos ordena excomungá-los. O que vocês acham?” Facilmente adivinhamos o resto... E pensamos que, decididamente, a história não para de se repetir!

Jesus veio dizer que o amor dá todo o sentido à Lei, que a justiça sem misericórdia perde em humanidade e sentido, e que, no fim das contas, só existem casos particulares.


Jesus explica que, quando o amor divino, dado pela graça com a cooperação do homem, se enraíza nos corações, deixa de ser um esforço. Ele jorra como uma água viva” (João, 4), dá liberdade, felicidade, alegria. Não é mais o prazer ligado à satisfação do desejo. É a alegria do dom. Uma experiência que todos podem ter: a alegria de dar gratuitamente, sem nada esperar em troca, nem mesmo um agradecimento ou um sinal de gratidão. É uma experiência que, todos os dias, têm os que consagram totalmente a vida a Deus ou ao próximo.

A busca do “Ser” e da responsabilidade - individual e coletiva - pode nos salvar de nós mesmos. É o que nos ensinam, há mais de dois milênios, cada um a seu modo, Sócrates, o filósofo ateniense, Jesus, o profeta judeu palestino, e Sidarta, chamado Buda, o sábio indiano.

Entre os pontos comuns de suas vidas, um é bastante singular: Buda, Sócrates e Jesus não deixaram nada escrito. 

Muito bom esse Livro.

Livro: Sócrates, Jesus, Buda
Autor: Frédéric Lenoir

terça-feira, 8 de março de 2016

Às MULHERES, parabéns

O dia 8 de março é marcado pelo dia internacional da MULHER. A razão pela homenagem é conhecimento de todos. Mas, considero que a MULHER representa muito mais daquilo que os registros históricos relatam sobre o Dia 8 de março de 1857, em uma fábrica de tecidos, na cidade de Nova Iorque.



A MULHER representa felicidade, luz, amor e nascimento. Quando Deus criou o mundo, criou também os animais, as plantas, a água, o fogo, a terra e por fim o homem. Então disse Deus: não é bom que o homem viva só, então, criou Deus a MULHER, para vivam em harmonia, procriem sua espécie e construam sua família.



Você que me faz feliz e nos orgulha pela MULHER que és, pela sua história e sensibilidade humana que possui...Te amo.


Assim, fui abençoado com quatro MULHERES fundamentais na minha vida; dona Joanaminha mãe, Verônica, irmã, Joelma Maria, esposa, e, Maria de Lourdes, filha.



O tempo nos ensinou a entender mais, conversar mais, compreender mais e a amar mais. 


Parabéns à minha esposa Joelma Maria, minha filha Maria de Lourdes, e, por fim, ao meu filho Luis Caetano por entender as MULHERES.



PARABÉNS! e boa semana a todas...