quarta-feira, 29 de junho de 2011

Sedentarismo: o mal do século!


Sedentarismo é definido como a falta e/ou ausência e/ou diminuição de atividades físicas ou esportivas. Considerado como a doença do século, está associada ao comportamento cotidiano decorrente dos confortos da vida moderna. Pessoas com poucas atividades físicas e que perdem poucas calorias durante a semana são consideradas sedentárias ou com hábitos sedentários.

Uma vida sedentária é caracterizada pela ausência de atividades físicas podendo provocar um processo de regressão funcional, perda de flexibilidade articular, além de comprometer o funcionamento de vários órgãos, distinguindo-se um fenômeno associado à hipotrofia de fibras musculares, além de ser a principal causa do aumento da ocorrência de várias doenças, como a Hipertensão arterial, diabetes, obesidade, aumento do colesterol e infarto do miocárdio, e atuar direta ou indiretamente na causa de morte súbita.

Existem diversas sugestões para os indivíduos sedentários poderem adotar uma mudança de estilo de vida, de acordo com as possibilidades ou conveniências de cada um:

1. A prática de atividades físicas, esportivas: caminhar, correr, pedalar, nadar, praticar ginástica, exercícios com pesos, jogar bola são propostas válidas para se combater o sedentarismo e melhorar sua qualidade de vida.

2. É recomendada a consulta a um médico, fazer alguns exames importantes e procurar orientações de um profissional de educação física para obter informações e subsídios para praticar as atividades físicas de acordo com o que seu médico sugeriu e suas metas, já que não são recomendadas as mesmas atividades para todas as pessoas.

3. São considerados problemas como hipertensão arterial, dores nas articulações (joelhos, calcanhares) e esforço físico excessivo de modo a não prejudicar a postura e a coluna vertebral.

Fonte: uol.com

Exercício Físico: algumas orientações

1. Estabeleça sua prioridade e consolide sua decisão de iniciar um programa regular de exercício físico.
2. Busque apoio para sua decisão: família, amigos, vizinhos e colegas de trabalho.
3. Comunique sua decisão ao seu médico que irá rever sua dieta e as medicações em uso regular.
4. Caso lhe seja solicitado um teste de exercício (também conhecido como teste ergométrico), é preferível submeter-se ao teste cardiopulmonar de exercício, no qual são também obtidas medidas ventilatórias.
5. Procure se esforçar ao seu máximo durante o teste e informe ao médico executante sua condição clínica e a necessidade de obter informações úteis para a definição da faixa mais apropriada de freqüência cardíaca (pulso ou batimentos cardíacos) para o seu exercício.
6. Discuta com o seu médico os resultados dos exames e as suas opções preferidas de local e tipo de exercícios, de modo que você possa contemplar a quantidade mínima recomendada.
7. Em caso de dúvida, especialmente se inexperiente quanto ao exercício físico e esportes, não hesite em obter apoio profissional especializado.
8. Prepare-se para uma fase de transição, na qual talvez sejam necessários eventuais ajustes de alimentação e, principalmente, de hábitos cotidianos.
9. Os primeiros dias de exercícios são os mais difíceis, mas alguns benefícios fisiológicos já começam a ocorrer nas primeiras horas após a sessão inicial.
10. Trace metas pessoais realistas. A progressão deverá sempre ser lenta e gradativa.
11. Não baseie os resultados do seu programa de exercício físico regular em termos de ganho ou perda de peso corporal. Alguns dos benefícios fisiológicos são mais difíceis de documentar ou quantificar, mas renderão resultados importantes em um prazo mais longo.
12. É comum ter vontade de parar uma sessão de exercício logo nos primeiros minutos (isso acontece até com profissionais altamente treinados). Resista e o seu corpo ficará tão agradecido que, dentro de alguns poucos minutos, dias e semanas, a sensação de desconforto e desânimo tendem a desaparecer e a serem substituídas por um bem-estar, que então se prolongará pelo restante do seu dia-a-dia.
13. Não adianta muito fazer exercícios por algumas semanas ou poucos meses e depois interromper. O exercício físico regular deverá ser incorporado em sua vida, inclusive nos períodos de férias.

Fonte: Clinimex

terça-feira, 28 de junho de 2011

A sociedade ainda é refém de poucos formadores de opinião, afirma Lula


Durante a abertura do 2º Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva falou sobre a importância das novas fontes de informação para alcançar uma verdadeira democracia na comunicação brasileira.

O ex-presidente falou sobre a importância dos blogueiros como fonte de informações alternativas “Eu queria dizer que valeu a pena vocês, blogueiros, existirem, pois hoje o pobre tem mais acesso ao computador e logo terão acesso à internet. Daqui a pouco, seremos todos cidadãos livres e vamos deixar de ser um País de um pensamento único, que é aquilo que alguns poucos querem divulgar.

Hoje os blogueiros são uma alternativa, uma possibilidade de que a sociedade participe das informações neste País. Que ela não fique refém deste ou daquele formador de opinião pública, mas que a sociedade possa formular sua própria opinião” acrescentou Lula.

Lula explicou que atualmente, o Brasil passa por um momento de transformação onde qualquer cidadão com internet pode se comunicar e ser uma fonte de informações. “Eu acho essa uma revolução extraordinária, essa dos blogueiros e twitteiros. E antes de serem independentes, livres e progressistas, é preciso ser sérios. Quantos mais vocês forem atacados, mais vocês têm que agir com seriedade. Eu posso dizer não como cidadão, mas como ex-presidente da República: eu sei o bem que vocês fizeram para a democracia deste País e pelo povo desse País, não deixando a população acreditar em qualquer coisa que alguns setores da mídia tentam nos empurrar” afirmou.

Além de apoiar a atitude dos blogueiros, Lula lembrou que graças às mídias sociais a campanha de Dilma Rousseff foi um sucesso na internet. A abertura do evento foi realizada em Brasília.

Fonte: portal do PT

quinta-feira, 23 de junho de 2011

ADIADO COPA MASTER DE FUTEBOL


RECEBEMOS INFORMAÇÕES QUE O ESTÁDIO NABORZÃO, PALCO DE TANTOS ESPETÁCULOS, SERÁ FECHADO PARA REFORMA SOMENTE NO FINAL DE SETEMBRO.

O GOVERNO DO ACRE ESTARÁ REALIZANDO A EXPO-TARAUACÁ EM SETEMBRO, O ESTÁDIO SERVIRÁ DE ESPAÇO PARA REALIZAÇÃO DE SHOWS.

PELA RAZÃO ACIMA O CALENDÁRIO ESPORTIVO DA LIGA DE FUTEBOL MODIFICA.

PRIMEIRO, A COPA DE FUTEBOL MÁSTER SERÁ TRANSFORMADA EM CAMPEONATO COM DISPUTA EM DOIS TURNOS.


SEGUNDO, EM JULHO TEREMOS O INICIO DO CAMPEONATO PRINCIPAL DE FUTEBOL ENVOLVENDO 10 EQUIPES.


TERCEIRO, O CAMPEONATO INFANTO-JUVENIL SERÁ DISPUTADO NA PRELIMINAR DO CAMPEONATO PRINCIPAL. EXEMPLO: SE JOGA PRAIA X LONDRINA, FAREMOS A PRELIMINAR INFANTO-JUVENIL DE PRAIA X LONDRINA.

terça-feira, 21 de junho de 2011

Copa Máster: início nesta 5ª feira, dia 23

equipe do Praia

O futebol é uma paixão nacional, ele é capaz de parar guerra. No Natal de 1914 durante a Primeira Guerra Mundial, britânicos e alemãs largaram suas máscaras de gás e armas para se enfrentar em uma partida de futebol. A maioria das peladas eram disputadas com latas de comida ou bolas feitas de trapos. Para uma delas, entre os dias 25 e 26 de dezembro de 1914, na Bélgica, foi providenciada uma bola de couro. Os alemãs venciam por 3 a 2 quando a bola furou. A Alemanha ganhou o jogo, mas perdeu a Guerra.

Em 1969, a presença de Pelé na África fez o exercito da Nigéria e os separatistas da região de Biafra esquecerem as diferenças. Durante o jogo entre os nigerianos e o Santos, ninguém ousou sair de perto do rádio. Em 90 minutos de bola rolando, não se ouviu sequer um tiro.

O Futebol tem o poder de unir pessoas e proporcionar alegrias, as vezes tristezas, causado pelo fanatismo de torcedores.

A Copa Máster de futebol de campo de Tarauacá, no Estado do Acre, extremo norte do Brasil, tem o propósito, além dos objetivos das equipes, proporcionar alegrias, união e amizades.

Nesta 5ª feira, dia 23 de junho, estaremos iniciando nossa Copo. Teremos a oportunidade de assistirmos a participação de atletas que fizeram história no futebol acreano. Os desportistas de forma geral estão convidados a prestigiar os jogos que acontecerão nos dias de 5ª e 3ª feira, a partir das 17:30 horas. É um belo momento para descontração e reunir a família, os filhos e fazer um programa durante os meios de semana.

A Copa será coordenada por Josman Neri, será uma realização da Liga de Futebol de Tarauacá através de sua Diretoria.


segunda-feira, 20 de junho de 2011

Exercícios Físicos: pratique com equilíbrio

A prática de uma atividade física é um meio de se manter saudável, recomendada por qualquer profissional de saúde.

Entretanto, segundo o professor José Carlos Simon Farah, do Centro de Práticas Esportivas da USP, começar a fazer uma atividade física requer alguns cuidados. "Imagine uma pessoa sedentária que aos 30 anos resolve começar a fazer algum tipo de exercício físico. Quem ficou parado todo esse tempo tem hábitos de vida não muito saudáveis, uma alimentação inadequada, ou é fumante. Portanto o risco de haver algum problema é maior", explica Farah.
Segundo ele, o objetivo maior de quem quer fazer alguma atividade deve ser a saúde e o resto será conseqüência disso. "Quando alguém começa a praticar uma atividade, a percepção de seu corpo muda e ele vai automaticamente começar a se alimentar melhor e incorporar hábitos de vida mais saudáveis. É uma reação em cadeia", diz.
Por causa da preocupação com saúde, quem vai iniciar algum tipo de atividade deve pedir orientação a um profissional da área de educação física e também fazer uma avaliação médica. "Às vezes assusta as pessoas dizer que para fazer uma atividade você precisa passar no cardiologista, depois no clínico geral e no nutricionista, o indivíduo acaba desistindo. Não é bem assim, é claro que se você tiver acesso a esses profissionais você deve consultá-los, mas hoje o acesso a informação está muito fácil e rápido. Na internet, por exemplo, você vai encontrar informações úteis sem necessariamente falar com um especialista".
A consulta a um professor de educação física também é importante, pois além de ter certeza do modo correto de praticar o exercício sem perigo de se machucar, você pode aproveitar ao máximo o benefício da atividade. "Com a orientação de um professor de educação física, o seu exercício vai render mais naquele mesmo espaço de tempo", comenta Farah. "O investimento que você faz, o tempo que você reserva diariamente para uma atividade pode ser mais bem aproveitado".
ATIVIDADE FÍSICA NO DIA-A-DIA
Hoje a atividade física ainda é encarada um pouco como remédio, o médico recomenda para você não ficar doente. Isso é  um erro. A atividade física deveria ter outra conotação para a população, como se fosse um hábito de vida, incorporado ao nosso dia-a-dia.
Se temos um horário para acordar, para dormir e para entrar no trabalho, deveríamos também reservar tempo para praticar uma atividade. Hoje em dia, grande parte dos problemas musculares e esqueléticos advém do sedentarismo. Tem gente que não faz exercício e tem dor nas costas. Isso é justamente por conta de falta de atividade.
O processo de envelhecimento acarreta na perda de massa muscular e óssea, enquanto a atividade física faz o contrário. Portanto, quem foi ativo durante sua vida passará melhor por esse processo. E inclusive aos 70 anos é possível praticar exercícios para ganhar massa.
SAÚDE E ESTÉTICA

Uma das principais razões pelas quais pessoas começam a praticar uma atividade física é para perder peso e ficarem bonitas. Essa preocupação é válida porque leva as pessoas a praticarem exercícios. "Não podemos ser ingênuos e ignorar que o objetivo do indivíduo muitas vezes é estético, vamos manter a estética também, ela é saudável enquanto não vira fanatismo", comenta professor Farah.
Entretanto, existem pessoas que ficam viciadas em exercícios físicos. Um exemplo disso é o crescimento do número de academias e também do mercado de suplementos alimentares. Assim como a preocupação com a estética, a prática de exercícios físicos virou uma espécie de moda. "Eu acredito que qualquer coisa que incentive as pessoas a irem para a educação física é válida", comenta Farah. "Mas tudo que é levado apenas pela moda acaba sendo prejudicial".
Muitas academias, por exemplo, não contratam profissionais que não estejam de acordo com seu padrão estético, independente de sua qualificação. Os suplementos alimentares também são, muitas vezes, dispensáveis, pois a alimentação diária é suficiente para suprir toda a necessidade de nutrientes de um ser humano. Esse é o lado ruim da moda. Entretanto, as pessoas não podem pensar que a busca pela saúde é a salvação de suas vidas porque isso as leva a fazer exercícios demais.
Portanto, a atividade física é saudável, mas na medida certa e com a orientação apropriada. Para ser saudável é preciso ter um certo equilíbrio. “Quem não faz exercícios vai ter problemas, quem faz exercícios demais também vai ter. Nós precisamos achar um equilíbrio, e, equilíbrio é bom senso e para isso não tem orientação", completa Farah.

Fonte: novartis

EJA: alunos praticam atividade física em horário alternativo

Os alunos noturnos da Escola João Ribeiro, sob coordenação do Professor de Educação Física, Josman Neri, realizaram 5ª feira, 16/junho, durante a noite, uma caminhada pelas ruas de Tarauacá, objetivando a prática de exercícios físicos. Os alunos noturnos em sua maioria passam o dia trabalhando e ficam sem tempo para praticar atividade física regular.

A professora Gerliane que também participou gostou da idéia, "gostaria que todos participassem, praticar atividade física é você está trabalhando para seu próprio corpo, melhora auto-estima e tira o stresse" comentou.

O processo de conscientização é lento, precisamos estar atento e dialogando sobre a importância de se praticar atividade física regularmente. No entanto, quando fazemos e planejamos construir algo em conjunto, envolvendo todos os atores, a possibilidade de dá certo é muito maior, a professora Gerliane foi um exemplo de parceria.

As aulas de educação física da escola são realizadas pela manhã, das 5:30 as 6:30h, 3ª e 5ª feira, poucos são os alunos que comparecem para a prática. Com objetivo de proporcionarmos e garantirmos a participação e prática de exercícios físico, estamos criando dois horário alternativos para os alunos, um no fim da tarde e outro a noite. Abaixo, fotos dos alunos na caminhada.











Emagrecer comendo até seis vezes ao dia

Por que comer até 6 vezes ao dia é o ideal para emagrecer?

Comer várias vezes ao dia pode ajudar no processo de emagrecimento. Mas muitas pessoas ainda acreditam que, ao realizar apenas três refeições por dia – café da manhã, almoço e jantar – emagrecerão com maior facilidade. E qual a explicação para o fato de que comer mais vezes ao dia ajuda a ficar em forma?

“Quando ficamos muito tempo sem nos alimentarmos, o metabolismo se torna lento, e nosso organismo entende que ficará um longo período em jejum. Desta forma, toda fonte de energia é armazenada como reserva de gorduras como um sinal de alerta, o que acarretará o ganho de gordura”, explica Liliane Oppermann, médica nutróloga.
Alimentar-se de cinco a seis vezes ao dia faz que o organismo tenha de trabalhar mais para metabolizar os nutrientes, ou seja, ocorre uma aceleração do metabolismo, facilitando a perda de gordura. Apenas o ato de mastigar, engolir, digerir, absorver e transportar nutrientes gera gasto energético, aponta a especialista.

Realizar várias refeições ajuda também a manter o controle do apetite, evitando os exageros e o comer compulsivamente. Em pouco tempo, a pessoa adapta-se e se sente mais saciada com porções menores de alimentos.

Ao comer entre cinco e seis vezes por dia, o metabolismo fica acelerado e, consequentemente, acontecerá queima calórica diária. “Estima-se que dessa forma pode-se aumentar em até 10% o gasto energético total de uma pessoa”, afirma Oppermann.

No comportamento inverso, quando ocorre um jejum prolongado – comer apenas nas “refeições principais” –, o organismo tem maior facilidade de acumular gordura como forma de defesa e garantia de energia em longo prazo, a fim de utilizá-la quando for necessário.

“Também não podemos esquecer que em momentos de jejum prolongado o risco de se exceder na quantidade de alimentos na refeição seguinte é muito maior”, alerta a nutróloga.

Emagrecer comendo até seis vezes por dia – Algumas pessoas acreditam que o ‘quanto menos você comer, melhor é para emagrecer!’ Sim, em partes até que estão certas, mas assim a pessoa ficaria fraca e podendo causar doenças por não se alimentar adequadamente, pois nosso organismo precisa de energia para manter o nível de glicemia estável, fazendo com que você sinta fome. Então nós daremos algumas dicas de como emagrecer comendo até seis vezes ao dia.

Você deve estar pensando “Mas que loucos, por que dizem isso?”.

Vamos citar um exemplo, você almoça e fica durante a tarde sem comer (Seu metabolismo já estará mais lento em quanto passa o tempo), e então chega a noite e já faz mais de 7 horas da sua última refeição, seu corpo não sabe mais de onde tirar energia, então da próxima vez que você se alimentar ele irá armazenar como reserva de gorduras, e assim você estará ganhando gorduras, mesmo que seja como fonte de energia. Você pode até dizer que não sente fome mesmo ficando muito tempo sem comer, mas o seu corpo está utilizando a energia da sua massa muscular, então de que adianta.

No caso, o que queremos transmitir é que você se alimente a cada 3 horas refeições leves, sem exagerar. Isto provocará uma redução da capacidade do estômago, fará com que seu estômago não estoque gorduras e consequentemente gerando uma perca de peso e gorduras.

As orientações acima nos levam a fazer uma reflexão sobre o comportamento que temos diante do nosso corpo. Aliar a alimentação ao exercício físico é a possibilidade que temos de prevenir futuras complicações com nossa saúde. Não precisamos esperar os sintomas aparecerem para readequar nossa alimentação e praticar atividades físicas.

Uma boa saúde está associada à prática regular de exercícios físicos. Ser sedentário é esperar os sintomas do colesterol, respiração, obesidade, entre outros, fazer parte da sua rotina de vida. Será que é isto que você quer? Penso que não, então se mexa faça alguma coisa pelo seu coração, seu pulmão e pela sua auto-estima, enfim, pela sua saúde. Envelheça jovem, pratique atividade física.


fonte: uol.com.br

quinta-feira, 16 de junho de 2011

O que os Gansos nos ensinam


Precisamos ser Gansos na nossa vida.


Quando se vê gansos voando em formação "V" você pode ficar curioso quanto as razões pelas quais eles escolhem voar desta forma. A seguir, algumas descobertas feitas pelos cientistas:

- Fato: A medida que cada ave bate as asas, ela cria uma sustentação para a ave seguinte. Voando em formação "V"o grupo inteiro consegue voar pelo menos 70% a mais do que cada ave voasse isoladamente.

- Verdade: Pessoas que compartilham uma direção comum em senso de equipe, chegam ao seu destino com mais facilidade e rapidez,por que elas se apoiam na confiança umas das outras.

- Fato: Sempre que um ganso sai fora de formação ele repentinamente sente a resistência e o arrasto de tentar voar só, e rapidamente retorna à formação para tirar vantagem do poder de sustentação da ave à frente.

- Verdade: Existe força, poder e segurança em grupo, quando viajando na mesma direção com pessoas que compartilham um objetivo comum.

- Fato: Quando o ganso líder se cansa ele reveza indo para a traseira do "V"enquanto um outro ganso assume a ponta.

- Verdade: É vantajoso o revesamento quando se necessita fazer um trabalho árduo.

- Fato: Os gansos de trás grasnam para encorajar os da frente a manter o ritimo e a velocidade.

- Verdade: Todos nós necessitamos ser reforçados com apoio ativo e encorajamento.

- Fato: Quando um ganso adoece ou se fere e deixa o grupo, dois outros saem da formação e o seguem para ajudá-lo e protegê-lo. Eles o acompanham até a solução do problema, e então reiniciam a jornada os três ou juntando-se a outra formação, até encontrar o grupo original.

- Verdade: Precisamos ser solidários nas dificuldades.

Sendo parte de uma equipe, nós também podemos utilizar adequadamente os recursos disponíveis, para que o fruto do nosso trabalho ganhe em qualidade.
Se tivermos senso de comunidade como os gansos, saberemos revezar-nos na execução das tarefas difíceis compartilhando uma direção comum.
Da próxima vez, ao ver uma formação de gansos voando, lembre-se que é uma recompensa, um desafio e um privilégio fazer parte de uma equipe.
Uma equipe só poderá ser forte se houver cumplicidade. Acreditar e ser ousado nas inovações.
Fonte: Alexandre Rangel

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Musculação: exagero e obesidade aproxima artrose dos jovens


Doença antes era associada quase que exclusivamente à terceira idade.

Um carro quando é usado exageradamente dá muitos problemas. Deixar o veículo na garagem e não usar nunca é ainda pior”, diz um dos maiores ortopedistas brasileiros, o médico René Abdalla, para explicar os motivos da cartilagem dos jovens estar muito mais frágil hoje do que no passado, condição inicial para desencadear a artrose, uma doença degenerativa.

A musculação com muito peso, a corrida sem descanso, os esportes competitivos dividem a “culpa” com obesidade e sedentarismo para a população com menos de 30 anos procurar os ortopedistas e descobrir problemas nos joelhos, quadris e tornozelos, as partes do corpo mais afetadas pela artrose.


O sintoma principal da doença é a dor e a limitação de movimentos. Quando a cartilagem fica muito gasta, o osso é prejudicado e, em estágio avançado, as consequências são irreversíveis.

“É uma tendência atual observar pacientes mais jovens com problemas e, em alguns casos, diagnosticamos artrose, doença antes mais associada à terceira idade”, confirma o problema Leonardo Rocha, chefe do Centro de Trauma Ortopédico do Instituto Nacional de Ortopedia e Traumatologia (Into), ligado ao Ministério da Saúde.

O professor e cirurgião especializado em joelhos da Faculdade de Medicina da Santa Casa, Ricardo Cury, acrescenta: ao mesmo em que o início cada vez mais precoce de atividades esportivas aumenta as lesões nesta faixa etária, a sobrecarga nos membros inferiores pode ser trazida exclusivamente pelos quilos extras revelados pela balança. “A obesidade castiga demais as pernas e os pés.”

Prevenção

Para quem está acima do peso, emagrecer é fundamental, mas não condição exclusiva para evitar a artrose. “Quem conviveu durante muito tempo com a obesidade, tem a cartilagem prejudicada, situação que permanece após o emagrecimento. É preciso uma ajuda especializada e com treinos específicos para o fortalecimento das articulações”, explica o médico Abdalla, que coordena o Centro de Joelho do Hospital do Coração.

Os magros já adeptos dos exercícios e da musculação, informa o ortopedista Rocha, passam por um processo natural de desgaste da cartilagem e o alongamento prévio antes das atividades também não é vacina totalmente protetora contra artrose, ruptura de ligamentos ou inflamações nos tendões.

“O alongamento serve para preparar a musculatura para o exercício, mas não minimiza o desgaste. A orientação especializada para os treinos é o que protege mais”, diz o médico do Into.

Os especialistas orientam ainda que o descanso da musculatura é essencial para evitar problemas. Outra dica é não colocar muito peso nos aparelhos, em especial se isso for feito por conta própria.

“Para os homens e mulheres que querem pernas muito torneadas – o famoso pernão, característica atual das musas – a orientação é buscar ajuda com nutricionistas”, diz René Abdalla.

“É possível definir os músculos sem recorrer às cargas muito pesadas da musculação com auxílio de alimentação focada no aumento da massa muscular, por exemplo”, completa.

Anabolizante não!

Os jovens que querem deixar distantes a artrose e o reumatismo – outro problema que não é típico só de idosos –, além de maneirar os exercícios, não podem recorrer a artifícios perigosos como os anabolizantes ou suplementos sem indicação especializada. Estes produtos afetam diretamente o coração, sendo o ponto de partida de infartos e acidentes vasculares cerebrais (AVC).

fonte: enews.com.br

Entrevista: ''O PT não surgiu nos gabinetes de Executivo e Legislativo"

Leia entrevista de Olívio Dutra ao Jornal do Comércio, na semana em que o ex-governador e ex-presidente do PT gaúcho completa 70 anos. Olívio foi aclamado presidente de honra do partido no estado pelo Diretório Estadual. Aqui ele fala de PT, governos Tarso e Dilma e de sua trajetória política, relatando episódios de sua formação no sindicato, na Igreja e no movimento estudantil.
Publicado pelo Jornal do Comércio de 6 de junho de 2011.
Entrevista concedida aos repórteres Ana Paula Aprato e Guilherme Kolling.
Jornal do Comércio - Como o senhor avalia o surgimento do PT e o partido hoje?
Olívio Dutra - No final da década de 1970 foi surgindo a ideia de um partido ligado ao movimento sindical. Não só da classe operária, mas da classe trabalhadora. Também como uma crítica aos partidos tradicionais. Essa foi a ideia do Partido dos Trabalhadores. Por isso digo hoje: o PT não é um partido que surgiu de cima para baixo, dentro de gabinetes do Legislativo e do Executivo. O PT veio de baixo para cima, é um partido que surgiu de uma parte considerável dos movimentos sociais, na luta contra a ditadura militar, na luta por condições de vida digna para a população trabalhadora e uma partilha justa das riquezas do País. O PT não pode, de repente, passar a ser um partido da acomodação, da conciliação permanente, que aceita o jogo político do toma lá, dá cá.
JC - Mas chegou ao poder...
Olívio - O PT foi conquistando espaços na institucionalidade - o que é importante, pleiteamos a democracia. Mas não meramente a democracia formal; tem que estar enraizada na prática, para qualificar a vida das pessoas. O PT não pode ser um partido, digamos, que perca a sua rebeldia.
JC - E é possível isso estando nos governos?
Olívio - É essa a questão. Por isso, o PT tem que ter instâncias que possibilitem um debate constante sobre as consequências de um partido que surge não dos gabinetes, de repente, ter que estar ocupando os gabinetes legislativos e executivos. É preciso discutir no que isso resulta.
JC - Em que aspecto?
Olívio - O governo do presidente Lula (PT), nos seus dois mandatos, e agora o governo da presidente Dilma, o Tarso aqui no Rio Grande do Sul, isso representa uma nova conjuntura, que se abriu por conta da conquista popular, democrática. Mas o Estado brasileiro ainda está com a sua formatação, que o faz funcionar muito bem para poucos. Ou não funcionar para muitos. Então, apesar de tudo o que pôde ser feito no governo Lula, nos nossos governos aqui no Rio Grande - me orgulho de ter sido governador -, ainda assim tem estruturas que não foram mexidas.
JC – Quais?
Olívio - O fato de Lula ter incluído milhões de brasileiros em uma renda melhor, condições de vida, salário e educação melhores, ter tido uma relação política aberta, uma política externa soberana, sem arrogância, mas afirmativa... Tudo isso são conquistas que não podemos perder. Mas isso é pouco diante de uma realidade que coloca, por exemplo, 16 milhões de brasileiros vivendo com uma renda diária de R$ 2,30. Eu voltei à universidade e pego dois ônibus para ir e dois para voltar da Ufrgs. Isso dá um gasto de R$ 10,80. Então, imagina uma pessoa sustentar a sua família com R$ 2,30? E são 16 milhões de brasileiros nessa situação. O governo deve trabalhar para a maioria da população. Tem um domínio aristocrático que controla a máquina brasileira há 510 anos. Em qualquer mandato que o PT exercer tem que estar a semente da transformação, e não da acomodação. Essa é a grande questão para o nosso partido.
JC - Qual é a sua avaliação dos governos Dilma e Tarso?
Olívio - São governos que tocam adiante um esforço. O governador Tarso está indo bem. Dilma também. Mas tem a conjuntura... Precisamos de reformas como a agrária, que não se conseguiu fazer avançar. E o acesso à terra, de forma democratizada, é fundamental para o desenvolvimento econômico e social do País. Precisamos da reforma político-partidária, em que partidos tenham posições ideológicas claras e que não sejam balcões de negócio. E o Estado brasileiro não é propriedade do governante, deste ou daquele partido que está exercendo o poder. Nem de grupos econômicos poderosos. O Estado tem que ser democratizado e estar sob controle público.
JC - A conjuntura atual é mais favorável a isso?
Olívio - Bem mais favorável. Até porque o discurso do Estado mínimo, dos neoliberais, está desgastado por conta da crise financeira internacional. Os países do capitalismo central tiveram que recorrer ao socorro do Estado. E é a sociedade que tem que controlar o Estado e não o contrário. Um partido sério, quando exerce governos ou mandatos, deve buscar avançar nisso. O PT é o maior partido do campo democrático-popular, a esquerda brasileira, mas não o único. Há partidos de origem mais antiga e também franjas em outros partidos de centro-esquerda, que não são cabresteadas pelos figurões dessas legendas. Então, há a possibilidade de uma discussão qualificada de como esse campo pode se alternar em cabeças de chapa para disputas locais.
JC - Isso vale para 2012?
Olívio - Sou a favor da alternância, para esse campo formar - através da boa discussão em cima de temas como o papel do Estado - o desenvolvimento, a ideia de que a política é a construção do bem comum através do protagonismo das pessoas, que devem ser sujeito e não objeto da política. São ideias fundamentais para a gente encarar as próximas eleições.
JC - Tarso formou uma boa base (PT, PSB, PCdoB, PDT, PTB, PRB e PR). Essa coalizão é o principal mérito do governador?
Olívio - Acho que isso não é mérito pessoal, é uma conjuntura que vai desabrochando. E tem riscos. O governo Lula, com sua composição, não conseguiu fazer a reforma política nem a tributária, nem a reforma agrária nem a urbana. Um governo de composição ampla acaba não podendo fazer e empurra adiante. Tem um conforto, mas ao mesmo tempo engessa. É uma contradição permanente. A questão da governabilidade tem também coisas que não se pode fazer. Mas não se pode conformar com o pragmatismo político...
JC - A propósito de ideais na política, como foi seu início?
Olívio - Meu pai, carpinteiro, criou cinco filhos. Então, a consciência de que existe uma realidade a ser transformada vem de muito tempo. Jovem, militei na Igreja Católica. Tinha uns 15, 16 anos. A gente discutia a questão da desigualdade, da solidariedade, da caridade, do trabalho voluntário. Daí, vim a Porto Alegre com 18 anos incompletos, consegui vaga para trabalhar, mas faltou a carteira de reservista. Então, tive que voltar a São Luiz Gonzaga. E prestei lá o serviço militar.
JC - Teve atuação no movimento estudantil?
Olívio - Cheguei a ser presidente da União Saoluizense de Estudantes. Era uma entidade em que estudantes de famílias abonadas promoviam festas, bailes... Montamos uma chapa para discutir a ausência de escola pública depois do Ginásio. Ganhamos a eleição. Tinha 16 ou 17 anos. Na Igreja, havia uma campanha nacional por educandários gratuitos. E fiz parte do movimento em São Luiz Gonzaga, por uma escola pública de 2º Grau (Ensino Médio).
JC - E a vida sindical?
Olívio - Em 1961, fiz concurso para o Banrisul. Tinha 19 jovens disputando a vaga de contínuo... Entrei, fiquei três anos na função e fiz concurso interno para ser escriturário. Participei da minha primeira greve em 1962. Não tinha sindicato em São Luiz Gonzaga, mas foram até lá. Como fazia o trabalho de rua, fiquei encarregado de reunir o povo na Casa Rural. E se decidiu que os bancários de São Luiz Gonzaga entrariam em greve. Era uma luta salarial. Mas no segundo dia a greve acabou. E fiquei me perguntando: para entrar em greve teve reunião. Agora, para sair, ninguém nos consultou.
JC - E como o senhor veio para Porto Alegre?
Olívio- Eu continuava no movimento para ter aquela escola. Mas o clima político estava se fechando por conta da ditadura. O prefeito era primo do Jango, mas militava na Arena. E, uma vez que a escola fosse instalada, nós, os jovens, queríamos que a direção fosse eleita. Tive a petulância de escrever essas coisas no jornal. O prefeito não gostou e toda a estrutura de poder local funcionou para que eu fosse transferido ou perdesse o emprego. Mas eu era funcionário concursado do banco. Então, fui transferido para Porto Alegre.
JC - Por querer eleições...
Olívio - Meus pais eram eleitores do PTB, tinham retrato do Getúlio. Mas um tio, irmão da minha mãe, dizia: “Olha, tem muito rico no PTB também. Temos que pensar com a nossa cabeça para não ser massa de manobra.” Esse tio, Pedro Beis, em 1954 - Getúlio em crise, iria se suicidar em seguida - foi pego numa madrugada colando cartazes com críticas que só quem fazia era o Partidão (Partido Comunista Brasileiro). E foi preso. Aí, nos revezamos mandando uma viandinha para o tio Pedro na cadeia. Eu tinha 13 anos, fui em várias ocasiões. Até que ele foi solto graças a um advogado do Partidão. Com a pecha de comunista numa cidadezinha, meu tio veio a Porto Alegre.
JC - Também a contragosto.
Olívio - Conto essa história porque em 1979 fui preso na nossa greve dos bancários, fiquei 14 dias na Polícia Federal. E um dia chegou uma visita: Pedro Beis. Fazia muito tempo que eu não via o tio Pedro. Cheguei na salinha e lá estava ele com uma carteirinha de cigarro. E disse: “Olha, meu sobrinho, vim aqui retribuir porque, quando eu estive preso 25 anos atrás, tu me levavas uma viandinha lá na cadeia.” E eu: “Muito obrigado, tio Pedro. O caso é que eu não fumo. Mas fico muito grato pelo gesto”.
JC - E o seu ingresso no Sindicato dos Bancários?
Olívio - Cheguei em 1970, me colocaram na agência mais periférica de Porto Alegre na avenida Francisco Trein com a Assis Brasil. E logo me filiei ao sindicato. Era temerário, tinha dois bancários presos pelo regime. Fizemos reuniões e um texto que denunciava a situação. Ninguém assinou, claro. Queríamos que a categoria soubesse...
JC - Foi uma iniciativa sua?
Olívio - Não. Isso foi o pessoal ligado às áreas de base da Igreja, de movimentos para proteger as pessoas perseguidas. Fizemos o texto e mandamos para todas as agências de banco. Lembro da chegada desse envelope na agência onde eu estava. O gerente me chamou. “Tem um problema aí com uns bancários. Tu és o cara que vai no sindicato, traz as informações” - o sindicato tinha um departamento odontológico e eu divulgava o serviço. “Então, Olívio, acho meio perigoso isso aí. Mas dá um jeito.” Bom, entreguei aos colegas. A informação circulou. Até que um dia chegou lá na agência o presidente do sindicato. E começou a me explicar a situação daqueles dois bancários. O sindicato tinha colocado advogado, mas os órgãos de repressão estavam em cima.
JC - E o ingresso na direção?
Olívio - Outra vez o presidente veio à agência. “Tu tem ido nas assembleias e estão esvaziadas.” E me propôs que eu fosse para a executiva. Mas eu tinha feito vestibular para a Ufrgs. “Não quero dar o meu nome e depois não poder dar conta das reivindicações.” Aí, fiquei na quarta suplência. Quase no final desse mandato, quatro diretores deixaram de ser bancários. E fui convocado em 1974. Na divulgação, começamos a trabalhar com o pessoal da Coojornal; Santiago e Edgar Vasquez faziam charges. E a luta por liberdade e autonomia sindical nos possibilitou a relação com outras categorias. Em 1975, teve eleições e fui colocado na cabeça da chapa. Conheci o Lula nessa época. Fui reeleito no sindicato em 1978, e depois, cassado em 1979, na nossa greve dos bancários, a primeira grande greve de uma categoria do Rio Grande.