terça-feira, 27 de novembro de 2012

A cerveja está fazendo você engordar?



Por que a cerveja engorda?
As calorias que coloca no prato são controladas com mão de ferro, mas você se esquece de computar as que põe no copo?

É comum: até as mulheres preocupadas em manter as curvas no lugar se iludem com a ideia de que um chopinho não pega nada. Não é bem assim: um copo de 300 mililitros tem em média 150 calorias. Não é muito. Mas, se você não consegue parar no primeiro, nenhuma dieta vai funcionar contra os pneuzinhos. As festas regadas a cerveja acontecem com frequência? Então, outro balde de água fria, seu abdômen tem tudo para ganhar proporções que, definitivamente, não combinam com blusas coladas, muito menos com o biquíni usado pelas modelos que aparecem nas propagandas da loira gelada.

Existem poucos estudos avaliando se a cerveja interfere na medida da cintura. Porém, um dos principais – feito por equipes de cinco centros de estudos da Dinamarca – revela que a bebida aumenta, sim, a circunferência do abdômen. Está certo que, para isso, é preciso beber mais de cinco copos todos os dias da semana. É bastante! Mas os brasileiros que bebem chegam perto disso, inclusive as mulheres.

Na balada, o copo virou extensão da mão da moçada – e o número de mulheres mais jovens (entre 18 e 24 anos) que bebe alcançou o de homens da mesma idade, de acordo com um estudo feito em 2007 pela Escola Paulista de Medicina e financiado pela Secretaria Nacional Antidrogas (Senad). Essas garotas bebem até 88% mais que as mulheres mais velhas. E a cerveja é a mais pedida.

A armadilha pode ser dupla: junto com a bebida vem a batata frita! E os petiscos gordurosos também têm culpa no cartório. Faça as contas: dois copos de cerveja mais uma porção (100 gramas) de provolone à milanesa têm cerca de 800 calorias – quase a cota que você tem direito no dia. É melhor estipular um limite: um copo mais uma comidinha leve.

Beber sem comer, nem pensar! É importante você forrar o estômago antes e durante o consumo de álcool. “Do contrário, os efeitos de embriaguez serão muito mais rápidos. E o enjoo no dia seguinte maior”, avisa nutricionista Adriana Kobayashi. Prefira porções com carboidrato, proteína e gordura boa – uma fatia de pão com peito de peru e azeite, por exemplo. Essa combinação diminui a velocidade de absorção da bebida, o que ajuda a preservar suas curvas. “Em alta concentração no sangue, o álcool dispara a produção de insulina – hormônio que, em excesso, estimula o organismo a armazenar gordura”, diz o nutrólogo Alexandre Merheb. O alerta vale especialmente para as mulheres que, com a intenção de emagrecer, bebem para não comer!

Beber como homem? Nem pensar!
As mulheres são menos resistentes à bebida. É fisiológico: “Por terem menos água no organismo (52%, ante 61% nos homens), as mulheres atingem uma taxa de álcool no sangue mais alta num menor intervalo de tempo”, diz a endocrinologista Gláucia Duarte, da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia.

Se ainda não estiver convencida a moderar na dose, saiba que o excesso de álcool sobrecarrega o fígado e os rins – esses órgãos deixam de eliminar as toxinas como deveriam. É por isso que, depois de uma noitada movida a cerveja, você tem enjoo e dor de cabeça. Nesse caso, adote a lei seca.

A gente precisa de pelo menos dois dias para conseguir se livrar dos resíduos deixados pela bebida. Do contrário, lá vem mais peso. “Acumulados no organismo, as toxinas do álcool deixam o organismo mais resistente a perder peso e também mais propenso a ganhá-lo”, diz Adriana Kobayashi. Tem mais: “Em excesso, a bebida alcoólica altera o metabolismo do estrogênio – hormônio feminino que, em desequilibro, age da mesma forma que a insulina – contribuindo para os estoques de gordura”, completa Andréia Naves, diretora da VP Consultoria em Nutrição, em São Paulo. É ainda pior nos dias que antecedem a menstruação: dois ou três goles são suficientes para deixá-la alegrinha. Por quê? “Acredita-se que, nessa fase, a sensibilidade ao álcool é maior”, diz Adriana Kachani, nutricionista do Programa de Atendimento à Mulher Dependente de Álcool e Drogas (Promud), do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo. Se beber mais, corre o risco de dar vexame.

Cerveja não é diurético
Cuidado com a ideia de que a cerveja é diurética e desincha. Você sente vontade de urinar porque tem necessidade de eliminar a água da própria bebida – não é o líquido retido no corpo. Na verdade, a levedura – substância responsável pela fermentação da bebida – deixa-a estufada. “A levedura dilata o estômago, que chega a dobrar de tamanho”, afirma a nutricionista Vivian Talarico, personal diet de São Paulo.

O efeito é passageiro. Mas, se você não quiser perder a linha nem por algumas horas, uma opção é trocar a bebida fermentada por uma caipirinha com adoçante. Essa opção é mais calórica (a de vodca com açúcar tem 360 calorias ante 192 com adoçante, o copo de 200 mililitros), mas não incha a barriga. Ainda tem a vantagem de demorar mais para acabar – caipirinha se bebe aos pouquinhos. Quer fazer render mais? Coloque bastante gelo e intercale com goles de água. Dá para relaxar, curtir a balada ou a happy hour sem engordar!


Quais são os alimentos mais indicados para acompanhar a cervejinha?
Para a cerveja descer redonda, sem parar nos pneuzinhos, vá devagar na dose -– um copo (se não for dirigir!), no máximo dois, já está de bom tamanho. E escolha comidinhas leves para acompanhar. A nutricionista Adriana Kobayasi dá sugestões para diferentes situações.

Na happy hour

Carpaccio com alcaparra e molho de mostarda: dispense o queijo parmesão. Ele deixa o prato mais gordo. A porção (120 gramas) com torradinha e sem o queijo tem 210 calorias.


• Isca de filé de carne acebolada: cuidado com o pão que acompanha a porção. Três iscas com três fatias finas de pão somam 168 calorias.


• Mussarela de búfala: tem menos gordura que o queijo parmesão e o provolone. A porção com quatro unidades (60 gramas) tem 80 calorias.


• Sanduíche de pão sírio com queijo branco, tomate e rúcula: peça para vir cortado em pedaços, para comer aos poucos. Tem 290 calorias.


• Bruschetta de pão italiano, alho, tomate e mussarela. Essa versão tem 240 calorias. Sem a mussarela, cai para 180.


• Bufê de petiscos: muitos barzinhos oferecem essa opção. Entre as melhores escolhas estão azeitona, fundo de alcachofra, tremoço, conservas sem muito azeite, minimilho, tomate seco escorrido, champignon, queijos e frios como peru e chester. Evite: as frituras e os embutidos gordurosos, como salame e mortadela.


Na balada

Antes de sair de casa, forre o estômago com uma pizza falsa (duas fatias de pão de fôrma integral assadas com mussarela, tomate e manjericão, 287 calorias) e uma água-de-coco (66 calorias). Na noite, beba bastante água – três copos ajudam a diluir o álcool de uma latinha de cerveja.

No churrasco

Invista nas saladas com folhas e legumes variados. Escolha carnes mais magras, espetinho de frango e queijo coalho grelhado. Para a porção de carboidratos, opte pelo pãozinho ou pela farofa. Se quiser os dois, diminua a quantidade de ambos. Evite: carnes com gordura aparente, pele de frango, lingüiça, espetinho com bacon.


A cerveja pode fazer bem

Sim, a cerveja é boa para o coração. Segundo estudos científicos realizados em diferentes países, a bebida fermentada tem uma grande quantidade de vitaminas do complexo B, além de antioxidantes –- substâncias que ajudam a reduzir o colesterol ruim e elevar o bom. Mas, para se obter esses benefícios, a dose deve ser moderada: uma latinha da bebida, três vezes por semana (quatro, no máximo!). Porém, os médicos advertem: quem tem gastrite, úlcera, diabetes, nível de triglicérides alto, antecedentes de alcoolismo na família ou excesso de peso não deve beber, nem mesmo moderadamente.


Beba com moderação. E se beber não dirija!