sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Maquiavel e o Poder

O pensamento de Maquiavel tem uma importância ímpar nos estudos políticos pelo fato de ele estabelecer uma nítida separação entre a política e a ética



A imprescindível obra literária de Nicolau Maquiavel, o pensador de Florença, está mais viva do que nunca, e, embora nem sempre bem assimilada, está a nos oferecer lições muito pertinentes num período em que se fala tanto em ética e moralidade na política, e, por conseguinte, no poder.

Eis uma frase de Maquiavel que merece uma análise: "Não se pode chamar de valor assassinar seus cidadãos, trair seus amigos, faltar com a palavra dada, ser desapiedado, não ter religião. Essas atitudes podem levar à conquista de um império, mas não à glória."

Embora vivamos num regime democrático com sistema presidencialista, percebe-se nitidamente que, por decorrência de um modelo educacional natimorto e em função de cinco séculos de incomensuráveis desigualdades sociais, temos, no Brasil, uma classe política tão arcaica e obsoleta como a da era renascentista de Maquiavel.

Temos, a bem dos fatos, políticos no poder que assassinam cidadãos quando lhes deixam sem um sistema de saúde decente, em que há uma clara e impiedosa roleta russa para se escolher qual miserável deve viver e qual deve morrer, numa desfaçatez sem tamanho, pois os recursos públicos para o setor são desviados a bel-prazer para robustecer ainda mais a já tão cruel concentração de renda nas mãos e cofres de senhores de duvidosa moral. E tudo isso em detrimento da miséria de milhões de famintos.

A traição a seus amigos ocorre já tão logo cada voto é totalizado, no dia da eleição. Os compromissos de governo são esquecidos, jogados no lixo ou arremessados dentro de alguma gaveta igualmente suspeita. É por isso que, como escrevera Nicolau Maquiavel, há muitos que chegam à conquista de um império, mas não à glória.

Como se vê, a obra de Maquiavel está mais viva do que nunca. E parece ter sido escrita para difundir as discrepâncias e as históricas distorções sociais que se pratica neste País que teima em continuar "deitado eternamente em berço esplêndido, ao som do mar e à luz do céu profundo".

Haja luz na obra de Maquiavel.


Fonte: maquiaveli.blogspot.com.br

0 comentários: