quinta-feira, 28 de junho de 2012

Juventude do PT repudia publicamente o golpe protagonizado pelo parlamento do Paraguai


Prestamos nossa solidariedade especialmente a todos os jovens paraguaios, receosos de vermos nosso vizinho retornar aos tempos de exceção que massacraram de forma mais cruel a juventude organizada nos movimentos sociais. Longe que qualquer alarmismo, preocupa-nos o fato de a justificativa do golpe de estado ter sido o que se chamou de “leniência” ao tratar de conflitos sociais. A história mostra que o discurso e o expediente usados pelos parlamentares paraguaios no dia 22 deste mês podem ser a senha para anos de desrespeito às liberdades democráticas e aos direitos humanos.
A manobra dos partidos conservadores, aliados a elite econômica e aos latifundiários do país, ao arrepio de todos os princípios legais de direito pleno de defesa e do contraditório trazem ao século XXI ecos de tempos sombrios da América Latina. A ruptura brusca das regras democráticas é uma afronta grave não só a sociedade paraguaia, mas a todos os países da região, que vive um período histórico de estabilidade e democracia. Por tal razão nos unimos aos jovens paraguaios, bem como a todos os jovens latino-americanos de esquerda, na defesa da democracia, da legalidade e da liberdade!
Quase sempre, golpes foram desferidos contra a mínima tentativa de reduzir desigualdades e ampliar a participação social. Na década de 2000, governos democraticamente eleitos lideraram transformações sociais e democráticas que tornaram o continente econômica e politicamente respeitado diante do mundo. Nós, jovens, não vivemos o terror, mas sabemos o valor da liberdade, da esperança e da mudança promovida por Lula/Dilma, Nestor/Cristina, Correa, Chávez, Ortega, Humalla, Tabaré/Mujica, Evo e outros que seguem na luta. Chamamos a juventude paraguaia a ir às ruas barrar o golpe da direita e a todos os jovens petistas que, nas suas casas, redes sociais, escolas, universidades, assentamentos e demais espaços de atuação, denunciem a ofensiva latifundiária paraguaia, para que a derrota não passe à história com a versão dos vencedores e a vitória se consolide pela força dos nossos ideais casados às necessidades populares de “nuestra America”.

Executiva Nacional da JPT